Durante a pandemia, pessoas de diversas idades acabaram sendo vencidas pelo coronavírus. Porém, outras surpreenderam ao vencê-lo com estrondoso sucesso, assim como Casilda Benegas, a mulher mais velha de que há registro na Argentina e que recentemente completou 114 anos.

A família de Casilda Ramona Benegas de Gallego sempre deu uma atenção especial para a ótima saúde da mulher. Quando os surtos de coronavírus se tornaram cada vez mais comuns nos lares de idosos do país, eles estavam preparados para afirmar que “certamente Casilda pegaria o Covid e nada aconteceria com ela”. E, felizmente, foi assim.

Dezembro de 2020 chegou e Casilda foi infectada com coronavírus. Mas era como se ela não tivesse nada. O diagnóstico foi registrado em seu prontuário que os médicos só abriram aos seus 111 anos, já que ela passou a vida toda sem precisar dele.

Hoje, recentemente celebrou seus 114 anos na companhia de sua família, rodeada de amor, extremo cuidado para evitar qualquer contágio e muitos doces.

Arquivo pessoal / via Clarín

“Quantos anos eu tenho?”, perguntou a mulher, que ficou surpresa ao saber a resposta e depois continuou curtindo sua festa de aniversário.

Casilda não é originária da Argentina, mas sim de Itapuá, no Paraguai. Ela veio ao mundo em 1907 e em 1945 casou-se com um espanhol e mudou-se para o país transandino. Hoje, mora em Mar del Plata.

Arquivo pessoal / via Clarín

Sua relação com o coronavírus começou dias antes da comemoração do Natal, quando uma funcionária da casa onde Casilda mora testou positivo para o vírus e, portanto, vários idosos também.

Nove dias depois de perceber a doença, Casilda sabia que isso seria apenas mais um detalhe em sua longa vida. O detalhe também a transformou na pessoa mais longeva da Argentina, segundo os dados do Sistema Nacional de Vigilância Sanitária (SNVS) na superação da doença.

Arquivo pessoal / via Clarín

“Ficamos um pouco assustados, mas os dias foram passando e os relatórios enviados à minha tia diziam que ela comia bem, que sempre se hidratava, e acabou sarando sem perceber”, conta Mayra Blanco, uma das bisnetas da senhora.

Casilda é também a segunda pessoa mais velha a se recuperar do coronavírus no mundo e a quarta a ser vacinada contra a doença.

Arquivo pessoal / via Clarín

Casilda, que tem dois filhos, oito netos, oito bisnetos e três trisnetos, fez 114 anos no dia 8 de abril e os comemorou com uma festa surpresa onde estavam alguns de seus parentes e companheiros da casa onde mora. Todos sempre preocupados em ter os cuidados necessários que a pandemia implica.

“Ela comeu bolo, alfajores de amido de milho e assim que eu trouxe a caixa de chocolates, ela enfiou a mão e comeu um quadradinho. Ela ama doces e sempre foi assim. Ela tem um estômago de ferro”, conta um familiar.

Arquivo pessoal / via Clarín

“Ela sempre foi saudável, nunca teve nada. Eles tiveram que abrir um histórico médico apenas aos 111 anos porque ela não tinha, e foi porque um gato mordeu sua perna. Os médicos não podiam acreditar”, conta outro.

Casilda, que a cada refeição come junto uma banana, não tem nenhuma doença latente. Na festa, outra bisneta, por sua vez, comentou que “riu muito no aniversário. Ficamos entusiasmados e ela ficou muito feliz. Nunca a vi zangada, sempre uma mulher muito feliz”, completa.

Com informações de UPSOCL

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES







Ana, 20 anos, estudante de Artes Visuais na UNESP de Bauru. Trago aqui matérias que são boas de se ler.