Um grupo de 28 cientistas da Faculdade de Ciências da Universidade Mexicana UNAM conseguiu desenvolver um teste rápido que identifica o material genético do vírus SARS-CoV-2, que causa a covid-19, e permite processar pelo menos 43 amostras em um tempo máximo de duas horas, a um custo próximo a R$ 43,00.

O biomarcador já está em fase de validação com o Instituto Nacional de Diagnóstico Epidemiológico e Referência (InDRE); portanto, em um mês ele pode ser usado em hospitais para lidar com a pandemia e em uma segunda fase para fabricar “testes domiciliares”.

Tatiana Fiordelisio e Mathieu Hautefeuille, líderes da pesquisa, concederam entrevista ao site mexicano  Milenio para falar sobre o projeto.

Abaixo, uma entrevista sobre o assunto:

“Nosso biossensor tem o potencial de detectar especificamente ácidos nucléicos, o RNA do vírus, que é como a sua marca e nos permite fazer isso massivamente, ao contrário dos testes de PCR. É uma técnica com pouquíssimas etapas, com pouquíssimas entradas e não requer equipamentos muito sofisticados e caros, o que nos permite utilizá-la em locais com pouca infraestrutura para processar “, afirmou Fiordelisio.

Como o biossensor funciona?

“Basicamente, colocamos uma sonda fluorescente no genoma viral para reconhecer sua presença em uma amostra e o que fazemos é ‘pescar’, digamos, isso é tudo o que resta dessas sondas e é isso que medimos, quanto resta na sonda com aquele que reconhecemos o vírus ”, explicou a pesquisadora.

“Não estamos dizendo que essa técnica substitui o teste padrão que é o PCR, mas estamos dizendo que, devido às condições que nosso país possui para comprar insumos, é uma opção para fazer testes em massa mais rapidamente e depois usar o teste PCR em casos específicos”.

Testes em casa

Os pesquisadores apontaram que um dos principais objetivos do laboratório e da Faculdade de Ciências é facilitar o diagnóstico da covid-19 em casa ou em locais onde não há acesso aos laboratórios de análises clínicas, o que “implica fazer testes semelhantes a um teste de gravidez, mas o método não é o mesmo “.

O biossensor “caseiro” seria um dispositivo de cerca de 10 centímetros de comprimento, produzido em massa por um robô pipetador, cujo custo é de 5 milhões de pesos (cerca de R$1.100,00 ). Com o financiamento, o produto final pode estar disponível em um mês.

Imagens: @gm_noticias

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES







As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.