China registra 1º óbito de humano causado por vírus raro de macaco

O vírus é prevalente entre macacos, mas extremamente raro e letal quando transmitido para humanos.

CONTI outra

O Centro Chinês para Controle e Prevenção de Doenças registrou o primeiro óbito de um ser humano através do “vírus do macaco B”, ou herpes B. O vírus é prevalente entre macacos, mas extremamente raro e letal quando transmitido para humanos.

O homem, que trabalhava em um instituto chinês de pesquisa especializado em reprodução de primatas, havia trabalhado na dissecação de dois macacos que vieram a óbito em março.

Um mês antes de falecer, ele começou a manifestar os sintomas: náuseas, vômitos e febre. Ele veio a óbito em 27 de maio. Suas amostras de sangue e saliva foram enviadas para o centro em abril, onde os pesquisadores encontraram evidências do vírus do herpes B. Dois de seus contatos próximos, um médico e uma enfermeira, testaram negativo para o vírus, disseram as autoridades.

Kentaro Iwata, especialista em doenças infecciosas da Universidade Kobe, no Japão, explicou ao Washington Post que, em humanos, esse tipo raro de vírus tende a atacar o sistema nervoso central e causar inflamação no cérebro, levando à perda de consciência. Se não for tratada, a taxa de mortalidade é de cerca de 80%.

O primeiro caso de transmissão de primata para humano ocorreu em 1932. Desde então, foram registrados menos de 100 relatos de infecções humanas de herpes B. Muitos deles na América do Norte, onde os cientistas tendem a estar mais atentos à doença, disse Iwata. É provável que haja casos do vírus que não foram detectados, mas os especialistas ainda acreditam que é uma doença extremamente rara entre os humanos.

As vítimas mais prováveis são veterinários, cientistas ou pesquisadores que trabalham diretamente com primatas e podem ser expostos a seus fluidos corporais por meio de arranhões, mordidas ou dissecações. Em 1997, a pesquisadora de primatas Elizabeth Griffin mfaleceu seis semanas depois que um macaco enjaulado jogou uma gota de líquido em seu rosto, atingindo seu olho.

De acordo com o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA, houve apenas um caso documentado de um ser humano infectado espalhando o vírus para outra pessoa.

Tanto o vírus do herpes B quanto o novo coronavírus são “consequências dos saltos virais entre as espécies”, disse Nikolaus Osterrieder, reitor do Jockey Club College of Veterinary Medicine and Life Sciences em Hong Kong, ao Washington Post.

Os saltos virais ocorrem quando um vírus adquire a capacidade de infectar e se espalhar entre indivíduos de uma nova espécie de hospedeiro. Exemplos históricos de vírus de animais que invadiram hospedeiros humanos incluem HIV (de chimpanzés), coronavírus Sars (de morcegos) e vírus influenza A (de pássaros).

Segundo Osterrieder, o vírus do herpes B é muito bem adaptado aos macacos e é improvável que sofra mutações de forma que comece a se espalhar rapidamente entre os humanos. No entanto, ele e Iwata enfatizaram que esperam que mais pessoas aprendam sobre a doença e tomem as precauções de segurança corretas, especialmente ao interagir com macacos em ambientes não relacionados à pesquisa, como em um zoológico ou na natureza.

***
Redação Conti Outra, com informações de UOL Viva Bem.
Foto destacada: Wikipedia/Frans de Waal.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES




COMENTÁRIOS




CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.