Uma mulher fez um relato bastante sincero em um fórum online e acabou dando origem um intenso debate entre os internautas.

A mulher, que preferiu se manter anônima, iniciou seu relato contando que ela e seu namorado tinham pagado para se sentar em duas poltronas juntas — uma na janela e outra no meio — em um voo da companhia TUI, que ia do Reino Unido para as Ilhas Canárias. No entanto, ao chegar ao seu lugar, uma mulher se sentou ao lado deles, na poltrona próxima ao corredor, e uma menina, filha dela, se acomodou no assento da fileira à frente, também perto do corredor.

A mãe explicou ao casal que a menina tinha medo de voar e, em seguida, perguntou se os dois poderiam trocar de lugar com ela, mas ouviu um ‘não’ como resposta.

“A mãe perguntou se elas poderiam ficar com nossos dois assentos e nós ficaríamos com o dela e o da filha ou então meu namorado poderia trocar com a filha dela”, relatou a passageira em um fórum online. “Eu, educadamente, disse que não. Ela não ficou feliz e disse: ‘Que diferença faz? Vocês são adultos, minha filha está apavorada com o voo e é menor de idade’. De qualquer forma, não mudaríamos. Eu estava errada? Certamente, se ela estivesse tão incomodada, poderia ter pagado pelos lugares, como nós fizemos”, escreveu a mulher.

Diante do relato, a maioria dos internautas concordou com a atitude da mulher em recusar a troca de assentos. “Sim, ela deveria ter pagado para que elas se sentassem juntas, como você fez”, opinou uma pessoa. “Bem, eu tenho um filho que tem muito medo de avião, então, eu teria pagado para garantir que teríamos os assentos de que precisássemos. A não ser que haja alguma coisa, como uma emergência de última hora, que fizesse com que elas tivessem a necessidade de voar inesperadamente e o avião estivesse cheio etc.”, palpitou outra. “Ela, provavelmente, recusou os custos de selecionar poltronas antes, dizendo a ela mesma que era só pedir a alguém no voo para mudar, para que ela tivesse essa conveniência de graça”, acusou outro usuário do fórum online.

Mas também houve quem tenha considerado a reação do casal exagerada. “Eu teria me mudado muito feliz”, escreveu um internauta. “Pessoalmente, eu teria trocado por causa de uma criança. Meu parceiro é adulto e pode sobreviver a um voo inteiro sem eu segurar sua mão”, ponderou uma mulher. “Você foi totalmente sem noção por não trocar e ela foi grossa, por te pressionar. Como você disse, você pagou para que se sentassem juntos. Mas eu teria trocado pela criança, não pela mãe mal educada dela”, opinou outro usuário.

E você, teria aceitado a troca de poltronas?

***
Redação Conti Outra, com informações de Crescer.
Foto destacada: Reprodução.

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES







As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.