Cães podem farejar COVID-19 em suor de pessoas infectadas, afirmam cientistas

Pesquisadores em Paris e em outros lugares acreditam que os cães podem farejar Covid-19 no suor de indivíduos infectados. Seria uma solução barata e confiável para resolver a falta de testes para todos, afirmam os cientistas

REDAÇÃO CONTI outra

Um novo estudo de pesquisadores da escola nacional de veterinária de Alfort, nos arredores de Paris, treinou oito pastores belgas de Malinois para identificar o cheiro do COVID-19 no suor de indivíduos infectados.

A taxa geral de sucesso dos cães foi quase perfeita, adivinhando corretamente uma média de 95% das amostras. Quatro cães identificaram com sucesso uma amostra de suor COVID positiva em 100% das tentativas.

Muitos dos países que obtiveram o maior sucesso em manter um número baixo de casos da Covid o fizeram com amplo uso de testes. O uso de cães, de acordo com os cientistas, aumentaria bastante a velocidade com que as pessoas poderiam ser testadas, e eles resolveram avançar com estudos subsequentes em caso de números ressurgentes como travamentos em todo o hemisfério norte.

Por séculos, observam os autores, os humanos têm usado o olfato como uma ferramenta para diagnósticos médicos, e os cães detectam o câncer em mais de 2.000 estudos científicos modernos.

Como o olfato altamente desenvolvido do animal foi usado pela primeira vez para detectar tumores malignos de bexiga, colorretal e outros tipos de câncer na década de 1980, a ideia de caninos detectores de doenças saiu do campo da oncologia para estudos de epilepsia, diabetes e até o Parkinson.

Para o estudo de Coronavírus, os autores coletaram 168 amostras de transpiração das axilas de indivíduos positivos para Covid que não precisavam de supervisão médica significativa. Eles usaram 18 cães treinados para detectar explosivos, câncer colorretal e sobreviventes durante as missões de busca e resgate.

Os frascos contendo amostras de transpiração Covid-positiva foram colocados em uma linha. Os funis foram inseridos nos frascos, permitindo que os caninos colocassem o nariz perto da amostra. Os ensaios foram realizados com 3, 4, 6 e 7 frascos, com apenas um contendo uma amostra positiva.

“Os resultados deste primeiro estudo de prova de conceito demonstram que pessoas positivas para COVID-19 produzem um suor axilar que tem um odor diferente, para o cão de detecção, do que pessoas negativas para COVID-19”, escrevem os autores do estudo.

“Em um contexto em que, em muitos países do mundo, faltam testes de diagnóstico para estabelecer uma detecção em massa de pessoas contaminadas com COVID-19, achamos importante explorar a possibilidade de introduzir a detecção olfativa de cães como uma solução rápida, confiável e “ferramenta” barata para pré-testar pessoas dispostas ou ser uma opção de verificação rápida em determinadas circunstâncias. ”

***

Imagem: unsplash

Redação CONTI outra. Com informações de goodnewsnetwork

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




REDAÇÃO CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.