O protagonista desta incrível história de amor e lealdade é um cachorrinho chamado Fulmine, que foi o xodó de seu pai humano, Leonardo Sechi. Os dois viveram juntos por 7 anos no interior da Itália, cercados pela natureza, e curtindo a companhia um do outro.

Em entrevista ao The Dodo, Sarah Sechi, filha de Leonardo, contou que eles eram inseparáveis. Eles tinham um amor tão especial um pelo outro que pareciam ter se tornado “almas gêmeas”.

Infelizmente, depois de tantos anos juntos, a vida separou esses dois melhores amigos, quando Leonardo adoeceu e faleceu em fevereiro de 2021.

A grave doença de Leonardo o levou a passar suas últimas semanas no hospital. Enquanto isso, seu cachorrinho não tinha ideia de onde estava seu melhor amigo durante todo esse tempo.

Embora a filha de Leonardo e seus outros parentes cuidassem de Fulmine e tentassem consolá-lo com muito amor, não havia nada que pudesse consolar o cãozinho que sentia muita falta de seu melhor tutor.

Na entrevista ao The Dodo, Sarah falou sobre esse difíceil momento de suas vidas: “Toda vez que um carro se aproximava, Fulmine corria até a porta para ver se era meu pai”. E acrescentou que ele o procurava o tempo todo, mesmo quando Leonardo já havia falecido.

Um dia após o funeral do italiano, Sarah teve uma grande surpresa ao chegar ao cemitério com o filho para deixar flores frescas para Leonardo e eles encontraram Fulmine diante do túmulo.

Tanto Sarah quanto seu filho não podiam acreditar no que estavam vendo, pois Fulmine havia viajado cerca de 3,5 quilômetros sozinho de sua casa no campo até o túmulo de seu melhor amigo, que ele não via há várias semanas. Segundo Sarah, era como se o cão tivesse entendido que aquele era o lugar onde seu melhor amigo estava.

“Eu não esperava encontrá-lo lá. Ele não tinha ido ao enterro. Não faço ideia de como foi parar lá.”

Ele acrescentou: “Gosto de pensar que ele é guiado pelo amor que tem por meu pai. Ou que meu pai o levou até lá. É uma daquelas coisas estranhas, sem explicação real.”

Desde então, Fulmine visita seu melhor amigo todos os dias.

Vários vizinhos de Sarah se emocionam quando veem o filhote caminhando mais uma vez até o cemitério, mostrando seu amor incondicional e lealdade ao melhor amigo.

Por fim, Sarah diz que “é triste vê-lo sofrer, mas aos poucos vamos superar esse momento difícil juntos”.

***
Redação Conti Outra, com informações de Nation.
Fotos: Reprodução.

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES







As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.