No último dia 19 de dezembro, a web se comoveu com o drama de uma cachorrinha que foi abandonada com um bilhete na porta da casa de uma moradora do centro de Mairinque (SP). O papel trazia um pedido de desculpas e um apelo para que cuidassem do animal.

Mas a boa notícia é que a cachorrinha não ficou desamparada. Ela já ganhou um novo lar cheio de amor e carinho, como merecem todos os cães.

Quem primeiro acolheu a cachorrinha foi Lais Monfrinato. Ao g1, ela disse ter ficado surpresa ao encontrar a cadela no portão de sua casa junto com um cobertor, ração e o bilhete, que dizia “me desculpe, por favor, cuide dela”.

“Quando vi, fiquei com raiva por alguém se permitir fazer algo parecido com um ser tão indefeso. Segundos depois, foi amor por aquela menina tão doce e carinhosa. Só pensei em recolher e cuidar até achar um lar”, conta.

Lais explicou ainda que não muito tem muito espaço em sua casa e já cuida de três gatos adotados, então resolveu postar a história nas redes sociais para que alguém a adotasse.

O post comovente não demorou a causar repercução entre os amigos de Lais e chegou até Rosane Carraco, que ficou tão tocada com a situação da cachorrinha que resolveu adotá-la.

“Quando eu vi a carinha dela e a história de ter sido abandonada com um cobertor e um saco de ração, meu coração ficou pequenininho. Nisso eu mostrei para o meu marido, que é um amante de cachorros também. Ele ficou comovido com o olhar triste e foi isso que fez com que a gente quisesse adotar”, relata Lais.

“A Rosane, que é minha chefe, viu a minha postagem no Facebook quando tinha acabado de fazer o post e, no mesmo momento, me chamou no WhatsApp dizendo que queria ficar com ela. Não pensei duas vezes, pois sei do carinho e amor que ela e a família têm com animais”, relata.

A cachorrinha ficou na casa de Lais por cerca de uma semana até ir paraseu lar definitivo, a casa de Rosane. Além de ganhar um novo lar, ela recebeu um novo nome: Lua.

Lua foi acolhida pela nova família no último domingo (26). Rosane diz ter ficado receosa no começo, pois já tem uma cadelinha em casa, a Mel, de dois anos, e não sabia se as duas iriam se dar bem. Entretanto, as preocupações se dissiparam logo que as duas se conheceram e viraram “amigas”.

“A Lua ainda não reconhece o nome, está se acostumando [risos]. As duas se dão muito bem, a Mel está comandando e a Lua aceitou a liderança. As duas estão felizes”, finaliza Rosane.

***
Redação Conti Outra, com informações de G1.
Fotos: Reprodução/Arquivo Pessoal.

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES







As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.