Cachorrinha abandonou seu lar e andou 60km para encontrar a mulher que a resgatou.

“Foi um milagre. Eu chorei. Pedi desculpas a Zelda por não a adotar”, conta a nova dona da cachorrinha.

Ana Carolina Conti Cenciani

A psicoterapeuta Seneca Krueger dedica seu tempo a resgatar cães abandonados para ajudá-los a aprender a confiar nos humanos novamente. Até agora, ela criou 30 cães, mas a cachorrinha Zelda foi um caso especialmente difícil.

Ela se escondia o dia todo, tinha que tomar medicamentos anti-ansiedade até que Krueger conseguiu a acalmar e começar seu treinamento. A cachorrinha que antes era brava começou a se abrir.

“Quando ela estava em casa, ela ficava colada a mim. Ao longo de duas semanas de treinamento com coleira, ela parou de tomar os medicamentos anti-ansiedade, e o ritmo diminuiu. Ela estava disposta a sair do esconderijo sozinha por curtos períodos de tempo”, conta Krueger ao The Dodo.

Depois de meses e adaptação da pequena, Krueger sabia que havia ajudado Zelda e que era hora de deixá-la ir. “Quando Zelda começou a ganhar um pouco mais de confiança, decidi que era hora de encontrar um lar definitivo”, disse Krueger.

Sêneca levou Zelda para sua nova casa, a 64 quilômetros da dela. Separar-se dela era muito difícil. “Eu tive que parar na beira da estrada porque não conseguia enxergar através das lágrimas. Pela primeira vez em meus 12 anos de criação de cães, senti como se tivesse entregue meu cachorro ”, confessou a mulher.

Tudo parecia estar indo bem, até dez dias depois de deixar Zelda em sua nova casa, Krueger recebeu uma ligação inesperada: a cachorra estava desaparecida. Krueger entrou imediatamente no carro para começar a procurá-la.

“Os dias mais frios foram os que eu passei a maior parte do tempo procurando, porque estava desesperada para aquecer e proteger Zelda. Passei horas no frio congelante, seguindo os passos dos cães através de barrancos, pântanos e campos congelados”, relata a adestradora.

Mais de dois meses depois, Krueger descobriu que Zelda havia sido vista em Minneapolis, a meio caminho entre seu lar definitivo e sua casa. Então Krueger percebeu que Zelda estava tentando voltar para ela.

Duas semanas depois, Krueger recebeu a notícia de que Zelda havia sido vista perto de sua casa. Ela espalhou punhados de ração e começou a deixar suas roupas (com seu cheiro) no quintal, para atrair Zelda.

Assim, depois de vários alarmes falsos e muitas buscas, mais de três meses depois, Zelda encontrou o caminho de casa.

“Foi um milagre. Eu chorei. Pedi desculpas a Zelda por não a adotar”, conta a nova dona da cachorrinha. Hoje, Zelda está morando com Seneca e agora pode curtir sua vida com sua dona escolhida.

Com informações de UPSOCL

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Ana Carolina Conti Cenciani
Ana, 19 anos, estudante de Artes Visuais na UNESP de Bauru. Trago aqui notícias que são boas de se ler.