Victor Pereira é um pernambucano que está no Qatar para a cobertura da Copa do Mundo, mas não teve uma experiência positiva durante o evento. Em suas redes sociais, Vitor publicou um vídeo contando uma situação que viveu.

Foto: Reprodução/Twitter

Ele foi abordado por um policial e organizadores do evento por estar segurarando uma bandeira do estado de Pernambuco. O estandarte do estado brasileiro possui um arco-íris que foi confundido com bandeira LGBTQIAP+ pelos homens.

“Estou nervoso aqui, estou tremendo. A gente estava com a bandeira de Pernambuco e fui atacado por alguns integrantes aqui do Catar e policiais, eles vieram para cima achando que era uma bandeira LGBT. Fui filmar, eles pegaram meu telefone e só devolveram me obrigando a deletar o vídeo que eu fiz. Eu só consegui meu celular de volta porque deletei. Isso é um absurdo, a gente tem autorização da Fifa para filmar absolutamente tudo no estádio”, contou.

Além disso, Pereira também compartilhou um vídeo que foi gravado por outra pessoa do momento em que foi abordado. Em inglês, Victor conta que é um jornalista e repete “eu vou te mostrar”.

No Qatar, a homossexualidade é considerada crime e algumas pessoas presentes no país têm feito protestos em defesa dos direitos das pessoas LGBTQIA+. O jogador Harry Kane, da Inglaterra, pretendia utilizar uma braçadeira de capitão com a bandeira da comunidade, mas foi barrado pela Fifa.

Com informações de Terra

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES







Ana, 20 anos, estudante de Artes Visuais na UNESP de Bauru. Trago aqui matérias que são boas de se ler.