Bem-aventurados os que lutam por aqueles que sofrem

Naquele tempo, 2018 anos D.C, Jesus subiu a um monte, seguido por uma multidão de pessoas pobres e sofredoras, e sentou-se sobre uma pedra, deixou que os seus discípulos e seguidores se aproximassem. A sua mensagem preparava homens e mulheres para transmitir a Boa Nova ao mundo todo. Então, disse Jesus:

“Bem-aventurados os pobres por espírito, porque deles é o Reino dos Céus!
Bem-aventurados os que choram, porque serão consolados!
Bem-aventurados os mansos, porque possuirão a terra!
Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados!
Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia!
Bem-aventurados os puros de coração, porque verão Deus!
Bem-aventurados os defensores da paz, porque serão chamados filhos de Deus!
Bem-aventurados os que são perseguidos por causa da justiça, porque deles é o Reino dos Céus!
Bem-aventurados sereis quando vos caluniarem, quando vos perseguirem e disserem falsamente todo o mal contra vós por causa de mim!”

O Sermão da Montanha é o texto mais esplêndido do Novo Testamento. É um conjunto de princípios que fala de justiça, misericórdia e amor. É a síntese do projeto do Reino dos Céus. Afirmava Mahatma Gandhi que se toda a literatura ocidental se perdesse e restasse apenas o Sermão da Montanha, nada se teria perdido.

Em nosso País têm homens e mulheres que são bem-aventurados, porque colocam a sua vida, o seu tempo e o seus recursos para lutar pelos brasileiros que sofrem, que não tem vez e voz e foram abandonados pela sociedade e pelo Estado.

Bem-aventurados os que dão de comer aqueles que choram por causa da fome, que adoece e mata, sobretudo, crianças, grávidas e idosos. No Brasil, os 10% mais ricos detêm quase toda a renda nacional, que contribui para justificar a fome, além do clima, da seca, das inundações e da omissão dos governos.

Bem-aventurados os perseguidos por causa da justiça, porque no Brasil muitos são contra os direitos humanos e defendem o massacre e a morte de jovens da periferia. Além disso, aplaudem a exibição pública dos corpos das vítimas, desde que não sejam exibidos em áreas nobres.

Bem-aventurados os que lutam contra a crise econômica, que gerou 12 milhões desempregados no País, que são vítimas deste maior medo social. E para piorar a situação – aumentou ainda mais o temor – com a reforma trabalhista, que está reduzindo os valores dos salários, como forma manter os empregos e de aumentar lucros.

Bem-aventurados os que buscam a paz num País destruído pela corrupção e pela crise política, onde o ódio domina o debate político, em que 60 mil assassinatos ao ano se somam 60% de pessoas que confessam que vivem em territórios sob controle de alguma facção criminosa. Medo que impulsiona o crescimento de candidaturas extremistas.

Bem-aventurados os misericordiosos, que acolhem aqueles com doenças mentais, aqueles que tentam se suicidar, aqueles que perderam os seus entes queridos, aqueles com deficiências ou vulnerabilidade, aqueles com dependência química, que sofrem por não terem acesso a rede de assistência médica e social do País.

Bem-aventurados os que se compadecem com o sofrimento dos outros, porque foram tocados pelas palavras de Jesus: “Tive fome e deste-me de comer, tive sede e deste-me de beber, estava doente e visitaste-me, estava preso e foste ter comigo”.

Imagem de capa: Dmytro Zinkevych/shutterstock

COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



Jackson César Buonocore
Jackson César Buonocore Sociólogo e Psicanalista

COMENTÁRIOS