Baleias azuis são vistas na Antártida pela primeira vez desde os anos 80

A expedição de 2020 também encontrou evidências de cerca de 20.000 baleias jubarte, e conseguiu marcar por satélite várias baleias francas do sul.

Ana Carolina Conti Cenciani

Antes de do auge das caças às baleias, esses animais eram constantemente vistos na costa da Antártida, que permitia a convivência de baleias jubarte, baleias azuis, baleias francas e do sul.

Agora, pesquisadores do British Antarctic Survey (BAS) descobriram que muitas dessas baleias retornaram – algumas em grande número – às regiões próximas à Ilha Geórgia do Sul.

Desde a moratória internacional da caça às baleias em 1982, décadas de proteção permitiram que a baleia azul – criticamente ameaçada – se recuperasse consideravelmente depois de perder 97% de sua espécie.

Em 2018, a missão de pesquisa registrou apenas 1 avistamento e várias confirmações acústicas de baleias azuis – mas a viagem deste ano registrou 36 avistamentos, totalizando 55 indivíduos.

“Para uma espécie tão rara (baleia azul), esse é um número sem precedentes de avistamentos e sugere que as águas da Geórgia do Sul permanecem um importante local de alimentação de verão para essas espécies raras e pouco conhecidas”, diz um comunicado de imprensa no site do British Antarctic Survey.

A expedição de 2020 também encontrou evidências de cerca de 20.000 baleias jubarte, e conseguiu marcar por satélite várias baleias francas do sul.

“Após três anos de pesquisas, estamos emocionados ao ver tantas baleias visitando a Geórgia do Sul para se alimentar novamente”, diz a líder da equipe, Dra. Jennifer Jackson, bióloga de baleias no BAS. “Este é um local onde a caça e a selagem foram realizadas extensivamente. Está claro que a proteção contra as baleias funcionou.”.

Falando com o The Independent , Jackson revelou que sua equipe estava “emocionada” ao avistar tantas baleias azuis, o que também sugeriu que ainda há comida suficiente disponível para essas maravilhas.

“Em relação a muitos outros oceanos do planeta, o Oceano Antártico ainda é relativamente primitivo, por isso ainda tem capacidade para suportar um grande número de baleias”, disse ela.

Em uma apresentação recente ao Fórum Econômico Mundial, o economista Ralph Chiami e o biólogo Michael Fishbach apresentaram uma análise econômica sobre as grandes baleias como agentes de prevenção das mudanças climáticas. Eles estimaram que a vida de cada baleia vale cerca de US $ 2 milhões por causa do enorme papel que desempenham como depósitos de carbono, devido à enorme quantidade de fezes que alimenta a proliferação do fitoplâncton (os organismos aquáticos que possuem capacidade fotossintética, ou seja, produzem oxigênio).

As baleias azuis destacam-se como depósitos de carbono, essa espécie leva mais de 33 toneladas de carbono com elas durante toda sua longa vida. Enquanto vivas, suas enormes “plumas fecais” nutrem comunidades inteiras de fitoplânctons, que sugam centenas de bilhões de toneladas de CO2 por ano.

A descoberta durante a pesquisa BAS 2020 levou ao pedido de uma nova avaliação da recuperação da baleia azul na Antártica, a ser conduzida pela Comissão Científica Internacional da Baleia no próximo ano, a fim de descobrir o quão bem foram recuperadas essas espécies que são tão importantes para nosso planeta.

 

 

Com informações de GNN

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Ana Carolina Conti Cenciani
Ana, 19 anos, estudante de Artes Visuais na UNESP de Bauru. Trago aqui notícias que são boas de se ler.