Cada casal passa por suas pequenas crises, pois um relacionamento de vários anos enfrenta diferentes mudanças significativas em sua evolução. Essas crises podem fazer com que o casal reflita sobre o futuro que os espera juntos, além de investir recursos na análise da dinâmica do presente. Eles também podem dar lugar à ansiedade e insegurança, especialmente se os parceiros tendem a duvidar de suas decisões.

A crise de um casal estável é, basicamente, natural. Embora crie alguma instabilidade e insegurança, também representa uma oportunidade para ajustar o relacionamento. Extremidades imprecisas ou conflitos que não foram resolvidos podem surgir nesses estágios. Depende do casal se eles aproveitam para acabar de resolver a pendência ou se transformam isso em uma oportunidade para aprofundar o distanciamento.

As crises no casal estável ocorrem quando as etapas são concluídas. Por isso, o normal é que esses momentos de instabilidade sejam classificados de acordo com o tempo que o casal está. Desse ponto de vista, existem quatro grandes momentos de crise: o de um ano, o de três, o de dez anos e o do ninho vazio. Vamos ver.

1. A crise de um ano, o fim da limerência

Limerência é um termo cunhado pela Dra. Dorothy Tennov, em seu conceito Amor e Limerência: A Experiência de Estar Apaixonado, publicado em 1977. É definido como o estado romântico e obsessivo, em que existe uma forte atração por outra pessoa e um desejo muito intenso de ser correspondido.

O fim da limerência costuma dar origem à primeira das crises em um casal estável e isso acontece cerca de um ano, ou um ano e meio após o início do relacionamento. A principal característica é que a idealização que se fez do outro se dilui.

Cada um dos membros do casal começa a perceber os defeitos do cônjuge e tenta recuperar os espaços pessoais que deixaram de lado por causa do relacionamento. Muitos relacionamentos terminam neste ponto, se não houver um vínculo sólido para sustentá-los.

Cena da série ‘Friends’.

2. Três anos: a segunda crise em um casal estável

Mais ou menos, por volta dos três anos, a segunda crise ocorre em um casal estável. Esses tempos são realmente aproximados. Em qualquer caso, o que costuma acontecer nesta fase é que apareça o desejo de subir ao nível seguinte. Se eles ainda não moram juntos, esse nível será o de morar junto. Se já moram juntos, a ideia de ter filhos pode surgir no horizonte.

O que paira no ar é a necessidade de aumentar o grau de comprometimento entre os dois. Formalizar, por assim dizer, o link existente. Nesse ponto, o relacionamento é reavaliado e o resultado é que ele efetivamente passa para o próximo nível, ou que ocorre um rompimento porque um ou ambos não se sentem preparados para isso.

Cena de ‘Vicky Cristina Barcelona’.

3. A crise de 10 anos

A crise de 10 anos tende a se concentrar em dois aspectos fundamentais: filhos e intimidade a dois. Em relação aos filhos, é nesta fase que os casais voltam sua atenção para eles e enfrentam seus estilos parentais. Mais do que em casal, pensa-se em família.

A intimidade a dois, por sua vez, ficou em segundo plano. Surgem então dúvidas e divergências, porque cada um quer voltar a ser atraente e quer que a intimidade volte a ocupar o centro da sua vida. Tudo isso junto pode levar a um renascimento do relacionamento ou marcar o seu fim.

Cena de ‘Brilho eterno de uma mente sem lembranças’.

4. A crise do ninho vazio

Os casais que conseguiram viver juntos com sucesso e alcançar o equilíbrio na relação devem enfrentar uma “última crise”. É chamado de ninho vazio porque ocorre quando as crianças crescem e saem de casa. Nesse ponto, o casal deve voltar a se concentrar no relacionamento e isso pode não ser tão fácil.

Nos últimos anos, ambos mudaram muito. Eles se conhecem em seus papéis familiares, mas individualmente podiam sentir certa estranheza mútua sem a presença daquele filtro que são os filhos . É então que eles devem reinventar a relação para continuarem juntos ou decidir que não têm mais nada em comum e é hora de voltar em busca de um destino individual.

Como observado acima, todas essas crises em um relacionamento estável também são oportunidades para repensar o relacionamento. Ambos devem reavaliar se é melhor para ambos continuar ou terminar. Se eles não forem movidos por impulso e pesarem suas decisões com cuidado, provavelmente escolherão a melhor opção.

***
Redação Conti Outra, com informações de La Mente es Maravillosa.
Foto destacada: Cena do filme Antes do Amanhecer.

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES







As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.