As carícias não são comidas, mas nutrem

As carícias são o alimento por excelência que a mente precisa para crescer e resistir diante dos problemas.

CONTI outra

O mundo de hoje nos expõe a situações difíceis de resolver, especialmente porque, na maioria das vezes, elas estão além do nosso controle. Exemplos incluem desemprego, violência ou aquecimento global. Precisamos de estímulos afetivos e emocionais que nos confortem neste ambiente cada vez mais frio e distante, precisamos de carícias.

Isso não significa que precisamos de uma lista muito longa de dicas sobre como gerenciar nossos sentimentos e emoções. O mais importante não é nem encontrar oportunidades para nos distrair das dificuldades e ansiedades diárias. Na realidade, ambos os aspectos (oportunidades e conselhos) são importantes, mas não são suficientes se pretendermos alimentar nossos corações apenas com eles.

Na realidade, os estímulos que nos permitem ser fortes são aqueles que nos fazem sentir reconhecidos e valorizados. As carícias são o alimento por excelência que a mente precisa para crescer e resistir diante dos problemas.

As carícias e seu mundo

O mundo das carícias não é apenas composto de contato físico, embora este seja certamente um elemento essencial. Nele há também as palavras e todos os gestos carinhosos que podemos dar; há olhares e vozes que acariciam com seu calor; Há palavras que são como um abraço para a alma.

De fato, na psicologia transpessoal, afirma-se que as carícias também podem ser “negativas” : são gestos de reconhecimento que não são sinceros, de recusa e hostilidade.

Como essas atitudes podem ser consideradas carícias? São porque implicam um reconhecimento do outro, mesmo que negativo. O oposto do mundo das carícias é total indiferença , ou ignorância da existência do outro. É uma equação entre o outro indivíduo e o vazio, que desnuda a pessoa ignorada das emoções e sentimentos.

No entanto, as carícias capazes de nutrir e enriquecer são o que podemos chamar de “genuínas carícias”. Nestas expressões até os animais estão envolvidos. São pequenos gestos que tornam um momento simples especial.

A sede de carícias

As carícias são tão importantes para o ser humano, que uma pessoa pode até adoecer e morrer se não tiver, especialmente nos primeiros anos de vida. Não ser acariciado entristece, deprime e, eventualmente, mata.

No mundo de hoje, parece haver uma sede muito forte por carícias , das quais não temos plena consciência. Isso é visto claramente nas redes sociais , por exemplo: muitas pessoas publicam posts não tanto para expressar o que pensam ou sentem, mas para obter um “gosto” que dá conforto e apoio.

Provavelmente, todas as ações destinadas a atrair a atenção dos outros surgem da sede de carinho. É como uma maneira de gritar silenciosamente “Estou aqui!” É uma maneira de pedir aos outros que reconheçam nossa existência; afinal, ainda somos mamíferos evoluídos e, como tal, precisamos uns dos outros desesperadamente.

Acariciando e sendo acariciado

Nem todos sabemos como acariciar nem todos nos permitimos ser acariciados . Na realidade, existem poucos especialistas nessa arte em particular. A pergunta que surge é “por que, se todos nós precisamos de carinho, há alguém que os impeça?”

Há apenas uma resposta: por medo. É o medo que leva esses indivíduos a levantar grandes barreiras que os escondem dos outros, que os mostram como absolutamente autônomos e independentes, mesmo que desejem ardentemente ter laços importantes com outras pessoas.

A ideia é constantemente promovida de que a excelência consiste em independência total , na ausência de condicionamento por outros. Essa ideia está profundamente enraizada em nós, tanto que muitos lutam todos os dias para tornar essa fantasia realidade. Como se a luta pela defesa da independência pudesse ser sustentada pela atitude do “bastiano oposto”, típico dos adolescentes.

Como a independência, em certas áreas, pode ser vista como uma grande virtude, lembre-se de que o preço emocional a pagar é muito alto.

Pessoas realmente fortes não nascem do tratamento severo ou da independência absoluta, mas sim: aqueles que vivem em um ambiente capaz de dar carinho e segurança têm mais recursos emocionais para enfrentar a adversidade. Acariciar e ser acariciado é um poder que torna a existência mais imensa e feliz.

Do site lamenteemeravigliosa, via Pensar Contemporâneo.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.