Após quase morrer, porquinho órfão é adotado por cachorrinha que o enche de carinho e amamenta

As fotos e a história de amor dessa dupla vão amolecer os corações mais resistentes. Confira na matéria.

CONTI outra

O site Zoorprendente trouxe para seu público, e nós traduzimos e adaptamos para os leitores da CONTI outra, a emocionante história de Katjing, uma cachorra da raça Rhodesian Ridgeback que, aos 8 anos, adotou um porquinho recém-nascido, o pequeno e mal humorado Paulinchen.

A dupla tornou-se uma sensação nas redes sociais depois que as fotos de seu amor inusitado caiu na internet.

A história começou quando Paulinchen, o porquinho,  foi encontrado praticamente sem vida pelos donos Katjing, numa fazenda em Hoerstel, na Alemanha. Felizmente, eles conseguiram reanimá-lo. Então, levaram-no para casa e o colocaram junto de sua amada cachorra.

ELES SE APAIXONARAM À PRIMEIRA VISTA E O PORQUINHO FOI SALVO DE UM TRISTE DESTINO, disseram os orgulhosos “avós”.

“Os porcos selvagens costumam andar por aqui e a porca acabou por dar à luz uma ninhada. Encontrei Paulinchen sozinho e, quando o agarrei, ele estava com muito frio. Eu tinha certeza que as raposas certamente o comeriam naquela mesma noite, então, levei-o para minha casa e coloquei-o perto de Katjinga. Ela tinha acabado de dar à luz a uma ninhada, que agora tem 10 meses de idade, então, eu pensei que havia uma possibilidade de ela assumir as tarefas de cuidar dele”, disse o orgulhoso tutor da bicharada.

A DETERMINADA ALTURA KATJINGA PÔDE SER VISTA AMAMENTADO O SEU NOVO FILHO ADOTIVO COMO SE SE FOSSE UM DOS SEUS.

O que ela nos ensinou com isso é que em um coração onde cabem 10, pode caber 11 sem nenhum problema!

“Katjinga é a melhor mãe que Paulinchen poderia imaginar ter. Ela ama seu filho porquinho. Quando o encontrou, começou imediatamente a limpá-lo como se fosse um dos seus próprios filhotes. Dias depois, ela começou a produzir leite novamente para amamentá-lo. Era evidente que ela o considerava como seu próprio bebê. Mãe do ano? … Muito possivelmente!”, concluiu Roland, o dono da fazenda.

O exemplo que estas lindas criaturas nos dão é adorável. Definitivamente, no seu nobre coração pode caber quem precisa de afeição e abrigo, não importa quão grandes sejam as diferenças.

Temos tanto aprender a aprender com os animais!

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.