Peço desculpas pelo que a minha ansiedade me levou a fazer

Quero que você saiba que algumas coisas que faço não são da minha natureza, mas são fruto da minha ansiedade. Elas são sintomas de um desequilíbrio químico em meu cérebro que afeta o meu comportamento.

Aqui na CONTI outra temos um texto muito relevante chamado Ninguém é ansioso porque quer, escrito pela Monica Montone. Nele, a autora desmistifica a culpabilização da pessoa doente por diversos de seus comportamentos. Abaixo, segue uma tradução livre e adaptada de um outro texto, originalmente publicado em Thought Catalog, por Lauren Jarvis-Gibson, mas que também traduz como os sintomas ansiosos apresentados por uma pessoa podem influenciar no seu comportamento, inclusive afetando o seu discernimento e levando a pessoa a fazer coisas que, se ela estivesse bem talvez ela não faria.

_________

“Desculpe-me pelos comportamentos que tenho por causa da minha ansiedade

Quero que você saiba que algumas coisas que faço não são da minha natureza, mas são fruto da minha ansiedade. Elas são sintomas de um desequilíbrio químico em meu cérebro que afeta o meu comportamento.

O que eu tenho feito não sou quem eu sou totalmente, é apenas uma parte de mim que está fora de controle.”

Kleber Cordeiro/shutterstock

Às vezes, eu falo rápido demais. Em outras, eu nem falo. Às vezes, fico acordado até às 3 da manhã, andando de um lado para o outro, com minha mente acelerada e inquieta.

Tenho olheiras tão escuras que nem os melhores corretivos conseguem disfarçar. Pela manhã, por não conseguir relaxar, levanto-me exausto e mal consigo olhar para luz.

A ansiedade me transforma em alguém que eu não quero ser

Eu gostaria de parar, mas não consigo. Eu permaneço agitado e começo de novo. Eu falo demais e, às vezes, coisas que eu nem gostaria de falar, mas tudo se passa tão rápido dentro de mim que falar é uma das maneiras de toda essa agitação sair.

Eu já contei segredos que não eram meus porque não consegui me calar. Já perdi amigos por falar deles sendo que depois nem eu mesmo sei explicar porque eu falei.

A ansiedade me faz perder alguns amigos, amores e oportunidades

Como frear uma cabeça que planeja, calcula e gera uma sentença antes que qualquer coisa aconteça? Por ficar paranóico e achar que não serei aceito eu não vou aos meus encontros e compromissos. Qualquer coisa faz meu coração acelerar e minhas mãos tremerem e suarem. Sei que as pessoas podem me olhar e achar que sou maluco e por isso as evito.

Fico em casa por causa da minha ansiedade mesmo quando o dia está lindo e pessoas queridas me chamam para sair. Eu gostaria de ir, mas me sinto tão mal que a vontade passa e é substituída por medos e autopiedade.

Acho que não sou bom o bastante e sei que é a ansiedade que cochicha aos meus ouvidos. Ela sussurra que sempre serei apenas eu e que ninguém me aguentará desse jeito. Ela me diz que meus amigos são falsos e que não me amam porque ninguém pode amar alguém desse jeito. O disco está arranhado. Tento pensar diferente, mas a mesma frase volta sem parar.

Imagem: makler0008/shutterstock

Tornei-me uma versão mais entristecida de mim por causa dessa ansiedade que me culpa, me isola, me diz que não sou capaz e que não posso amar e nem ser amado.

Fico tão cansado que até respirar se torna complicado. Eu tenho que pensar para respirar melhor. Eu tenho que me esforçar para sorrir. Eu tenho que me motivar a ser simpático e me sinto robotizado por não conseguir ter atos espontâneos.

Essa falta de controle e de espontaneidade me dá uma ideia de que há muito mais escuridão no mundo do que eu possa imaginar.

Então, peço sinceras desculpas pelas coisas que faço quando estou tão ansioso. 

Perdoe-me por não conseguir parar de falar, por falar o que não devia, por te ligar e depois cancelar. Perdoe-me por simplesmente não conseguir respirar da forma que devia. Eu realmente gostaria de desacelerar e a consciência dessa falta de controle é que me permite, agora, pedir desculpas e tentar ser melhor.

Mas peço também que você entenda o que acontece comigo porque você, como meu amigo, parente, namorado ou simplesmente conhecido, TAMBÉM PRECISA LIDAR COM ISSO. E eu sei, sei mesmo, que se você entender o que acontece com o meu cérebro e o quanto isso me enlouquece, você terá mais paciência, e poderá ser mais doce e paciente comigo quando eu precisar de você.

Peço desculpas pelo que a ansiedade me leva a fazer diariamente, MAS NÃO PEÇO DESCULPAS POR PRECISAR DE AJUDA.

Compreenda, por favor: a culpa é da ansiedade, não minha. Mas juntos podemos achar uma saída.

Você acha que esse artigo descreve corretamente como se sente uma pessoa ansiosa? Passe adiante a ajude todo mundo a entender que ansiedade não é frescura e pode ser algo muito limitante.

Imagem de capa: Dmitry A/shutterstock

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



Josie Conti
É idealizadora e administradora do site CONTI outra. Psicóloga formada há 16 anos, teve sua trajetória profissional passando por diversas áreas de formação e atuação como educação, clínica, recursos humanos e saúde do trabalhador. Hoje, utiliza o conhecimento adquirido para seleção de pessoal e de material adequado aos sites com que trabalha. Realiza vídeos, palestras, entrevistas, tem um programa diário na rádio 94.7 FM de Socorro e escreve para diversos canais digitais. Sua empresa ainda faz a gestão de sites como A Soma de Todos os Afetos e Psicologias do Brasil. Atualmente possui mais de 10 milhões de usuários fidelizados entre seus seguidores diretos e seguidores dos sites clientes. Em 2017, foi convidada para falar sobre conteúdo de qualidade no evento “Afiliados Brasil” de São Paulo, à convite da Uol, pois o CONTI outra foi considerado um dos melhores sites de conteúdo ligados a empresa.

COMENTÁRIOS