A Alemanha tem o objetivo de indenizar 250 pessoas LGBTQIA+ que foram afetadas, de algum modo, pelo nazismo da Segunda Guerra Mundial. No momento, já foram pagos €860 mil (cerca de 5,305 milhões de reais), e outros 14 pedidos ainda estão sendo avaliados.

O nazismo perseguia diversos grupos minoritários e os homossexuais eram um deles. A ideologia fascista via a sexualidade como algo que apenas “permitia a reprodução” para perpetuação da raça superior. Muitos LGBTQIA+ foram enviados a campos de concentração durante o holocausto e a estimativa é que cerca de 5 a 15 mil foram mortos.

A época também foi marcada pelos experimentos feitos para “corrigir a orientação sexual”, conhecido hoje como “cura gay“. Na época, muitos homens e mulheres transexuais foram castrados, outros sofriam doses muito altas de hormônios masculinos para uma tentativa de “virilização” e outros tantos foram forçados a ter relações sexuais com “prostitutas”, que eram mulheres prisioneiras, geralmente lésbicas.

Além de toda a violência médica, os gays também sofriam agressões pelos guardas alemães, além de serem perseguidos por outros prisioneiros. Os gays recebiam em suas vestimentas triângulos rosas, que muitos soldados utilizavam como alvo de prática de tiro.

Foto: DW

As lésbicas também eram alvo das “correções” dos soldados nazistas através do estupro e da gravidez forçada e, durante esse período, muitos gays e lésbicas se uniam para forjarem casamentos para não serem pegos pelos nazistas.

Assim, essas pessoas aparentavam estar “curadas da homossexualidade”, já que supostamente eram gays que fingiam ter se convertido para héteros, e eram enviados para uma divisão militar para combater os russos. Os que “não apresentavam sinais de melhoras” eram classificados como “homossexuais crônicos” e permaneciam nos campos de concentração.

Em 1945 deu-se o fim da guerra e os grupos que sofreram com o holocausto tiveram reparação do governo. Mas, os LGBTQIA+ continuaram sofrendo já que as leis anti-homossexuais dos nazistas não foram suprimidas.

Finalmente, em 1969 que houve a descriminalização da homossexualidade e apenas em 2017, setenta e dois anos depois do fim da segunda guerra, que as condenações foram anuladas e foram feitos pagamentos a esses grupos.

Foto: DW

 

Com informações de gay.blog.br

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES







As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.