Advogada que foi presa após ataques racistas e homofóbicos em padaria se diz vítima

A Advogada Lidiane Biezok foi presa após destratar funcionários de uma padaria e agredir física e verbalmente dois rapazes que tentaram intervir na situação. Mesmo com os vídeos comprovando a agressão, ela se diz vítima.

CONTI outra

Na última sexta-feira (20), a advogada Lidiane Biezok, de 45 anos, foi presa em flagrante, segundo informações da Secretaria de Segurança, indiciada por lesão corporal, injúria e homofobia. Ela agrediu uma pessoa em um ataque homofóbico em uma padaria tradicional da Pompeia, na zona oeste de São Paulo. Vídeos que circulam nas redes sociais mostram o incidente, quando a mulher faz ofensas, dá tapas e arremessa objetos no funcionário da padaria Dona Deôla. A advogada também foi acusada de declarações transfóbicas e racistas pelos envolvidos.

Veja as imagens do incindente.

De acordo com a assessoria de imprensa da padaria Dona Deôla, o caso teve início quando a Lidiane chegou ao local, aparentemente alterada, e destratou funcionários, além de jogar objetos no chão.

Dois outros clientes da padaria, Kleiton e Boni – que é visto no vídeo tendo os cabelos puxados -, tentaram inbterver à favor dos funcionários da padaria e acabaram tambpem sendo atacados por Lidiane.

Ainda segundo a assessoria, o gerente acionou a polícia, que chegou minutos depois ao local, encaminhando os envolvidos à delegacia, onde boletins de ocorrência foram registrados por funcionários e pela dupla que foi vítima do ataque homofóbico.

A coordenadora de marketing da Dona Deôla, Carolina Mirandez, disse que Lidiane era uma cliente que costumava criar problemas no local.

“É muito comum que ela venha aqui. Ela fica e consome, mas reclama da comida. Sempre foi grosseira, mas nunca teve um problema tão grande. Ela estava exaltada, reclamando da comida e destratando funcionários. Ela disse que, se a comida não estivesse boa, ia arremessar. O supervisor tentou acalmar. O atendente nosso percebeu que ela estava se exaltando contra o supervisor, que é um senhor, e pediu para ela falar baixo. Ela virou e falou ‘sai, seu viado’ e uma série de palavrões. Então os clientes se levantaram e começaram a filmar”, contou Carolina.

Em entrevista ao UOL, Lidiane Biezok se diz vítima na situação e que tem sido ameaçada na internet. Ela afirmou que possui transtorno bipolar e reclamou da padaria onde tudo aconteceu, ameaçando processar o estabelecimento.

***
Redação Conti Outra, comk informações de UOL.
Fotos: Reprodução/Youtube.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES




COMENTÁRIOS




CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.