A felicidade é cáustica…e eu também

A realidade é cáustica e a felicidade pode ser também. Porque o mundo é como é. E sim, existe beleza e felicidade mesmo na desintegração.

Felipe Souza

Eu sou a moça de sorriso lascivo e vestido provocante que passa do outro lado da rua. Eu sou o funk, o rap e todas as outras vozes que você quer calar. Eu sou as selfies, o auto-elogio rasgado e o exagero. Eu sou o completo desbunde.

Eu sou a ideia que você rejeita sem nem mesmo ter considerado. Eu sou os seus temores mais íntimos, a sua recusa e o seu recuo. E eu sou o sorriso desavergonhado e inconveniente que rompe o silêncio.

Eu sou o neon no letreiro, o carro sem freio, o barulho de buzinas, de vozes atropeladas e de pensamentos discordantes. Eu sou o disse me disse, o falatório, a praça de alimentação lotada e a loja de brinquedos na véspera de Natal. Eu sou o próprio McDonalds!

Eu sou uma piada maliciosa, um trocadilho infame, um descuido gramático e um quadro torto na parede. E sempre vou ser o borrão de tinta colorida na sua parede branca.

Eu sou a velha louca dos gatos, o profeta de rua e o palhaço que passa o chapéu. E também sou Gil, Caetano, Godard e a Kim Kardashian. Pois é, eu sou a cultura, a usura e a gastura. E tem mais, eu sou o salto alto da vizinha do andar de cima, desfilando no meio da madrugada.

Eu sou o vento que precede a tempestade. Eu nasci para o caos ou foi o caos quem me escolheu? Eu sou uma pergunta sem resposta. Eu sou o próprio caos, eu sou cáustico.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Felipe Souza
O socorrense Felipe Souza descobriu cedo o seu interesse pela literatura e pela escrita. Nos primeiros anos da escola já era uma criança imaginativa que tinha especial interesse pelas aulas de Redação e de Língua Portuguesa. Na adolescência, já se arriscando a produzir seus próprios textos, participou de três edições do Mapa Cultural Paulista, tradicional concurso literário do Estado, inscrevendo seus contos, “Procura-se uma identidade, de 2005, “Rotina”, de 2006 e “(Minha vida cabe dentro de um parêntese)”, de 2007, que, em suas respectivas participações, conquistaram a primeira colocação na fase municipal da competição. Felipe cursou Letras- Português e Inglês, na PUC-Campinas e trabalha desde novembro de 2016 produzindo conteúdo jornalístico para a Rádio Socorro.