“A coisa perfeita que meu médico disse sobre minha vida com uma doença sem cura”

Todos nós temos alguma coisa. Não precisa nem ser doença ou uma deficiência. Todos nós temos coisas em nossas vidas que são difíceis.

CONTI outra

Meu médico estava sentado em sua mesa de frente para seu computador enquanto lia meu prontuário e se atualizou sobre os vários especialistas que eu tinha visto e os exames que eu tinha feito desde a minha última consulta com ele.

Ele se virou e disse: “Então você praticamente se tornou um paciente profissional”.

É verdade. Eu vi vários novos especialistas ultimamente e estou esperando para ver mais alguns. Isso é bom porque significa que depois de anos tentando convencer educadamente meus médicos de que há outras coisas acontecendo, estou finalmente chegando a algum lugar. Eu ainda não sei exatamente onde é “em algum lugar”, mas estou feliz de estar no mesmo caminho e sou grata pelos médicos comprometidos e compreensivos que estão me ajudando a chegar lá.

Mas ainda é difícil. Estou cansada de esperar meses para as consultas chegarem. Estou cansada de experimentar tentativa e erro com novos medicamentos. Estou cansada de não me sentir bem todos os dias. Expressei essa frustração ao meu médico, embora soubesse que não havia nada que ele pudesse fazer a respeito. O que ele me disse, no entanto, realmente ajudou.

Ele disse: “Eu sei. Mas você está fazendo um bom trabalho e acho que está lidando com tudo muito bem.”

Foi a coisa perfeita para se dizer. Não havia pressão sobre mim para me dar um rosto corajoso. Não havia expectativa de que eu deveria estar otimista o tempo todo. Não houve motivação com falsa esperança ou consolo vazio.

Em vez disso, havia consciência da parte “crônica” da minha doença crônica. Havia permissão para ser realista e uma compreensão de que eu estava cansada. Mas também era bom saber que, embora às vezes parecesse estar presa no lugar, sobrecarregada pela minha doença, eu na verdade ainda estava seguindo em frente.

E por tudo isso, também me senti encorajada. Eu estava fazendo um bom trabalho. Eu poderia continuar fazendo isso.

Era exatamente o que eu precisava ouvir, e não posso deixar de pensar que talvez você precise ouvir também.

Então eu quero te dizer que você está fazendo um bom trabalho.

Talvez, como eu, você carregue uma doença crônica ou uma deficiência. Quando você sente que está correndo em círculos em busca de um diagnóstico, está defendendo por si mesmo. Quando você se depara com tratamentos e procedimentos difíceis, está se dando uma chance de um futuro melhor.

E quando você se depara com um tubo de alimentação, uma cadeira de rodas ou qualquer outro dispositivo médico, você está trabalhando dentro de suas limitações para ser o melhor possível e viver uma vida o mais completa possível. Você está fazendo um bom trabalho.

Talvez você ame e cuide de alguém com uma doença crônica ou uma deficiência. Quando você está derrubando as paredes da sua zona de conforto para aprender a cuidar do seu ente querido, você está trabalhando para aceitar o seu novo normal. Quando você está colocando horas de planejamento e preparação para ajudar seu ente querido a continuar com a vida da forma mais normal possível, você está provando que uma vida desafiadora ainda pode ser significativa.

Quando você deixa de lado sua exaustão, dor e medo para ajudar seu ente querido através de seus próprios sentimentos, você está ensinando-o a ser resiliente. Você está fazendo um bom trabalho.

Todos nós temos alguma coisa. Não precisa nem ser doença ou uma deficiência. Todos nós temos coisas em nossas vidas que são difíceis.

Às vezes somos derrotados. Às vezes estamos com raiva de nossas circunstâncias e sentimos pena de nós mesmos. Às vezes nos comparamos com os outros e ficamos com ciúmes daqueles que parecem ter mais facilidade. E tudo bem, porque outras vezes nossos espíritos triunfam.

Outras vezes, escolhemos rir em vez de chorar e optar por sermos gratos pelo que temos em vez de nos sentirmos amargurados com o que perdemos. Outras vezes, nos aproximamos e pegamos tudo o que aprendemos através de nossas lutas para ajudar alguém a enfrentar a sua própria.

Nós não temos tudo o tempo todo. Nós não devemos. Mas nós fazemos o que podemos. Nós fazemos nosso melhor.

Portanto, não tenha medo de se dar algum crédito e reconhecer sua própria força. Não tenha medo de se dar a afirmação de que você precisa. Se você está prosperando ou simplesmente sobrevivendo, você está fazendo o seu melhor.

E você está fazendo um bom trabalho.

***

Texto de Catherine Richardson para o The Mighty, via Psicologias do Brasil

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.