A alma sempre sabe o que fazer para se curar, o desafio é silenciar a mente

Pratique em silenciar sua mente e você terá uma grande parte do caminho da cura percorrida.

CONTI outra

Certamente nossa natureza é ser saudável, é estar em harmonia com a perfeição do universo, no entanto, parece que uma parte importante do jogo é entender como a nossa mente funciona e saber que sintonizar com tudo de maravilhoso que podemos criar, incluindo nossa cura, será necessário para silenciá-lo.

Dentro de todos os mistérios que nos cercam e que tentamos esclarecer de alguma forma enquanto estamos percorrendo este caminho, descobrimos que toda a energia criativa, a inteligência divina, está contida em absolutamente tudo o que vemos, de modo que cada um de nós nós carregamos conosco essa possibilidade de materializar todas as coisas positivas que queremos.

Além disso, também podemos gerar coisas negativas, especialmente quando nossa mente, por alguma razão, é dada para assumir que algo importante está nos colocando como uma situação de risco, seja ficando doente, deprimido, nos submetendo a situações que nos magoam, etc, etc, etc. Os motivos podem ser tão variados, que podem variar desde a necessidade de chamar a atenção, até a incapacidade de dizer não, passando pelo instável amor-próprio, medo da solidão, crenças errôneas, etc.

A verdade é que temos uma ferramenta super poderosa que não temos muita ideia de como funciona, é como ter um computador intransponível, com informações ilimitadas e não poder acessar as informações que ele contém. Agora, embora a mente tenha seu universo ininteligível, pelo menos sabemos que quanto mais tempo podemos silenciá-la, maior o benefício que obtemos.

Silenciar nossa mente nos permite curar de nossa essência, nos permite ver o mundo de forma diferente e apreciar o que realmente tem valor, quando deixamos de prestar atenção à mente, tudo se encaixa perfeitamente, tudo vibra de maneira diferente, sabemos que podemos fazer o que queremos e se nos mantivermos ou não em determinada situação que parece inconveniente, é porque sabemos o que temos para sair dessa experiência.

Quando conseguimos silenciar nossa mente, assumimos o controle de nosso “Eu Superior” e daí é possível aliviar o fardo que levou a uma doença, nos permitimos perdoar, nos deixamos colocar nossos medos de lado, nos permitimos aceitar coisas com as quais temos sido capazes de discordar, e aceitar não significa dar-lhes consentimento, mas reconhecer sua existência e mudar nossa maneira de olhar para eles.

Ao tomar ações de um nível mais elevado de consciência, nossa mente acaba se alinhando ao novo panorama, obviamente sempre será notada com o drama que a caracteriza, mas cada vez com menos força e frequência, até que ela se sinta confortável e até trabalhe nosso favor, ciente de que tudo vai ficar bem.

Pratique em silenciar sua mente e você terá uma grande parte do caminho da cura percorrida. Sua alma sabe exatamente o que fazer, apenas dá entrada, sente e não permite que a mente, embora com intenções de nos proteger, roube proeminência.

***

Por: Sara Espejo – canto do Tibete. Via Pensar Contemporâneo

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.