9 perigos que você corre quando sempre é a “pessoa legal”

Por mais estranho que pareça existem desvantagens em sempre ser uma pessoa legal.

Você as conhece, eu as conheço, ou você pode ser uma delas: pessoas legais.

Elas sempre dão aos outros o benefício da dúvida, estão prontas para dar a mão, ou são voluntárias para aquela tarefa que ninguém quer. Elas são sensíveis aos sentimentos dos outros, fáceis de conviver e raramente discutem. O que há para não gostar?

Não muito, você diz. Mas se você é sempre a pessoa legal, se está em sua personalidade 24/7, muitas vezes há perigos psicológicos à espreita abaixo dessa superfície amigável,  desvantagens que podem cobrar seu preço. Aqui estão as mais comuns:

1- Internalização

Você é tão bom, tão descontraído assim, o tempo todo? A menos que você esteja tomando alguns medicamentos altamente eficazes, provavelmente não. O que as pessoas sempre legais tendem a fazer é internalizar – manter para si emoções negativas, que naturalmente surgem no decorrer da vida cotidiana. O subproduto dessas crises emocionais geralmente é a depressão, ansiedade e dependência.

2- Surtos periódicos

E se a depressão, a ansiedade e o vício não são fortes o suficiente para manter esses sentimentos não educados à distância, você corre o risco de surtar, através de uma noitada em uma viagem de negócios, uma farra, agindo de maneira raivosa com seu filho, seu cachorro ou seu colega gentil, mas sempre distraído. Parece vir do nada, você se sente terrivelmente culpado, pede desculpas e promete nunca mais fazer isso novamente. . . até fazer de novo. Até que a pressão se acumule, e os gatilhos de estresse certos o desencadeiam.

3- Autocrítica

O que não é legal é que você tem mais chances de se culpar do que qualquer outra pessoa: a culpa é sua, você deveria saber, você fez algo que fez a outra pessoa agir da maneira que ela agiu, embora você realmente não tenha ideia do que possa ter sido. Você tem essa voz crítica, estilo “sargentona”, gritando com você o tempo todo, olhando por cima do ombro, apontando o dedo. Sob esse abuso verbal constante, você se compromete a se esforçar mais, não estragar as coisas, ser ainda melhor, mas o que você faz nunca é bom o suficiente; falhas, erros e incriminações estão em todo lugar. É uma maneira infeliz de viver.

4- Ressentimento

Um acúmulo de ressentimentos pode frequentemente alimentar este surto, mas às vezes é apenas um lamento lento e sempre presente que você internaliza junto com todo o resto. O ressentimento vem porque sua amabilidade também vem com expectativas – que os outros irão apreciar seus esforços ou seguirão seu exemplo e serão como você, sempre colocando os outros em primeiro lugar, etc. – ou esperando que eles percebam o que você precisa e deem para você, mesmo que você nunca diga quais são essas necessidades.

5- Esgotamentos periódicos

Se você fizer todo o trabalho pesado o tempo todo, estará propenso a um colapso periódico. Pode ser por exaustão, por doença ou afundando nas profundezas de uma depressão severa. O esgotamento pode deixá-lo de lado por um tempo, mas quando você se recupera, está rapidamente de volta ao trabalho.

6- Pré-comprometimento em relacionamentos

Em vez de declarar claramente o que quer no início de uma discussão com alguém, você antecipa ou assume o que a outra pessoa gostaria, e então reduz sua própria demanda antes que a conversa comece. “Jane provavelmente não vai querer trocar todo meu turno de fim de semana”, você diz para si mesmo, então, em vez de perguntar se ela pode trabalhar o fim de semana inteiro para você, você pergunta se ela pode trocar o sábado. Quando você faz este pré-comprometimento o tempo todo em relacionamentos íntimos, acaba nunca obtendo o que quer (apesar de fantasiar que a outra pessoa lerá sua mente e oferecerá de qualquer maneira), e em vez disso você apenas obterá versões diluídas que são “mais ou menos”. Com o tempo, você acaba ficando com uma vida enfraquecida.

7- Apresentar-se como controlador ou passivo-agressivo de vez em quando

Outros, especialmente aqueles mais próximos a você, podem te ver como sendo sutilmente controlador ou passivo-agressivo de vez em quando – porque você é. Sua personalidade racha um pouco, e você coloca uma pressão sutil ou culpa para conseguir o que quer, ou concorda com alguma coisa, mas então age de maneira passiva e agressiva, porque sua infelicidade escapa.

8- Relacionamentos banais

Relacionamentos próximos podem não ter profundidade. Entre o pré-compromisso e a internalização, você nunca diz o que realmente quer e sente, não está sendo realmente honesto e emocionalmente íntimo. E se ambos os parceiros são legais, os efeitos são multiplicados, resultando em um relacionamento sem conflito, mas superficial.

9- Arrependimentos futuros

Aquela pobre mulher de 100 anos que se arrependeu de comer muito feijão e não tomou sorvete o suficiente. Aquela caricatura da lápide que diz: “Comeu toda aquela couve por nada”. A vida diluída, o não ser verdadeiramente conhecido, as milhões de oportunidades perdidas de fazer e conseguir o que quer, em vez do que os outros queriam, podem deixar você com sérios arrependimentos na vida.

Isso significa que você não deve ser legal?

CLARO QUE NÃO. Mas há uma diferença entre uma vida orientada por valores e uma impulsionada pela ansiedade. Uma vida orientada por valores vem de seus valores, suas crenças básicas como adulto sobre como conviver com os outros. Você é gentil e atencioso e vê que todos nós estamos lutando neste minúsculo ponto no vasto universo; você trata os outros como gostaria de ser tratado. Você faz isso não porque “deveria” ou porque vai se sentir culpado de outra forma, mas porque é o seu plano de vida.

Mas ao mesmo tempo você pode dizer não, cuidar de si mesmo, assim como os outros, ser assertivo e honesto sem ser agressivo e ofensivo. A vida é um “ganha-ganha” tanto quanto possível.

Por outro lado, a vida impulsionada pela ansiedade faz com que ser gentil seja uma forma de controlar a ansiedade. Você aprendeu a adotar uma postura gentil como forma de evitar conflitos e confrontos que não consegue tolerar, uma postura que é: “Fico feliz se você está feliz”, o que significa que faço tudo o que preciso para não aborrecer você, pois o fato de você estar chateado me deixa ansioso. Aqui você não diz não, não fala o que pensa, nem é honesto e assertivo, por causa do seu próprio medo. É menos sobre um valor de como tratar as pessoas e mais um traje psicológico para protegê-lo do que parece ser um mundo assustador.

Desconstruindo

Se você decidir que está, de fato, cansado de ser legal o tempo todo, ou cansado de absorver algumas ou todas essas consequências, é hora de parar de entrar no piloto automático e começar a fazer escolhas e mudar alguns de seus comportamentos. Veja como começar:

1. Desacelere para perceber como você realmente se sente.

Se você sempre é legal, provavelmente nem percebe como se sente na maior parte do tempo. Em vez de levantar a mão rapidamente na reunião da equipe quando eles chamam voluntários, respire profundamente algumas vezes e pergunte a si mesmo se você realmente quer fazer isso. O mesmo acontece com a negociação com seu parceiro: pare com o pré-compromisso e descubra o que realmente quer. Se você não puder dizer na hora, espere e continue se perguntando como realmente se sente; algo acabará surgindo.

2. Pratique dizer não.

Não levantar a mão é dizer não, mas você deve praticar isso mais ativamente – é uma questão de estabelecer limites. Se você for convidado para participar de um comitê da igreja, por exemplo, e não quiser, diga não. Melhor ainda, seja proativo e deixe que os outros saibam onde você está antes de chegar até você. Se for muito difícil dizer não pessoalmente, ligue e deixe um correio de voz ou envie uma mensagem de texto. Apenas faça.

3. Traduza seus sentimentos.

Quando você sentir raiva, irritação ou ressentimento, use como informação que lhe diga o que precisa, o que não gosta, o que pode querer. Então, novamente, fale o que pensa.

4. Pratique ser mais honesto.

Honestidade é essencialmente o que define os limites, mas a honestidade também é o condutor da intimidade. Saia dessa conversa superficial e experimente conversas mais profundas – diga às pessoas próximas a você como você realmente se sente, em vez de dizer que está “bem”. Se o seu parceiro está fazendo o mesmo, coloque o problema da intimidade verbal e honestidade na mesa como algo que você quer trabalhar.

5. Use seus sintomas como ferramentas para informar quando estiver sobrecarregado.

Não basta varrer a compulsão, o esgotamento ou a agressividade passiva para debaixo do tapete, mas em vez disso usá-los como alertas de que você está sendo responsável demais, que está negligenciando suas próprias necessidades. É hora de não apenas se desculpar ou se recuperar, mas, novamente, falar o que pensa.

6. Enfrente as vozes críticas.

Suas vozes críticas vão enlouquecer quando começar qualquer um dos itens acima. Você vai se sentir culpado, ansioso de que o mundo irá desprezá-lo e que coisas terríveis vão acontecer. Esta é uma coisa de criança que explode quando você começa a quebrar seus padrões antigos. Respire profundamente algumas vezes, dê um tapinha nas costas e siga em frente.

Então, você está pronto para desistir de algumas das suas gentilezas?

***

Essa é uma tradução adaptada da CONTI outra. Do original: The Dangers of Being Nice

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.