“8 em Istambul” ( “Bir Baskadir”, no original) é o nome de uma série dramática turca que estreou na Netflix no último dia 12-11-2020. Como gosto de assistir séries estrangeiras pelos diferenciais de produção e pela apreciação de culturas diversas, separei-a. E, eis que ao assistir aos 8 capítulos da primeira temporada, fui presenteada com um dos mais belos retratos sobre como o inconsciente encontra formas de se manifestar, apesar de nossas tentativas de freá-lo.

“8 em Istambul”, com direção e roteiro de Berkun Oya, nos apresenta uma trama que envolve 8 pessoas com vidas e condições sociais diferentes que têm seus caminhos interseccionados e mutuamente afetados por esses encontros.

Engana-se quem, em um primeiro momento, ficar desinteressado por causa de um ritmo que possa parecer lento uma vez que é aos poucos que a ligação entre os personagens vai aparecendo e revelando toda a sua complexidade. Berkun Oya mostrou que entendeu perfeitamente os mecanismos da repressão, transferência e contratransferência. Ao longo dos episódios vemos maneiras diferentes pelas quais uma pessoa pede socorro, assim como assistimos aos mecanismos de defesa adaptativos que elas se utilizam para sobreviver ao seu entorno e aos seus próprios desejos.

Outro ponto a favor da série, ao qual não ofereço grandes detalhes do enredo para não afetar a experiência de quem for ver, é não colocar a psiquiatra, que é psicanalista, e sua supervisora (duas das personagens) em um local hierarquicamente superior da trama: a série mostra seus dilemas e fragilidades assim como deixa muito evidente como elas podem se tornar incapazes de exercer seu trabalho com qualidade quando não resolveram ou estão realmente conscientes de certas questões pessoais. O mesmo acontece com o conselheiro hodja, que é um homem mais velho da comunidade da protagonista Meryem e de sua família. Ou seja, os caminhos da subjetividade individual não escolhem credo, nível de escolaridade ou nível econômico.

A trama segue com inúmeros exemplos de abusos psicológicos, situações de dependência e submissão da mulher, além de exemplos de como a violência pode ser utilizada para mascarar as próprias fragilidades pessoais.

Com ótimo figurino, trama inteligente e flertando com o peso da cultura e da religião, mais do que qualquer coisa, “8 em Istambul” deixa claro que, “Em casa de ferreiro o espeto é de pau”, mas, ao contrário de uma sina, o reconhecimento disso pode ser o primeiro passo para a libertação.

Cuidado, você pode aprender algo com essa série!

Confira, abaixo, o trailer

***
Quem gostou de “8 em Istambul” também poderá gostar de Nada Ortodoxa

Imagens: reprodução/divulgação.

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES







É idealizadora, administradora e responsável editorial do site CONTI outra e de suas redes sociais. Psicóloga com 20 anos de experiência, teve sua trajetória profissional passando por diversas áreas de atuação como educação, clínica (consultório, grupos pré-cirurgia bariátrica e de reeducação alimentar, acompanhamento de pacientes idosos e acamados em projeto da UNIMED), além de recursos humanos e saúde do trabalhador. Teve um programa diário, o CONTI oura, na rádio 94.7 FM de Socorro. Atualmente realiza vídeos, palestras, cursos, entrevistas, e escreve para diversos canais digitais. Sua empresa ainda faz a gestão de sites como A Soma de Todos os Afetos e Psicologias do Brasil. Possui mais de 11 milhões de usuários fidelizados entre seguidores diretos e seguidores dos sites clientes. Também realiza atendimentos psicológicos online e possui um Podcast semanal, ao lado de Felipe Souza, o "Corra, Forrest, corra!" que trata de assuntos da atualidade mesclando-os com dicas de filmes e séries.