78 elefantes são libertados por falta de turistas para montá-los depois da pandemia

O coronavírus têm aprisionado as pessoas e libertado os animais. Parece que o jogo virou, não é mesmo?

REDAÇÃO CONTI outra

Esses nobres animais carregam pessoas por dias e noites, sem descanso, há mais de 40 anos. Aparentemente, foi necessária uma pandemia global para que seus proprietários pusessem fim à exploração e os deixassem em paz.

O coronavírus causou muitos problemas em todo o mundo. Escassez de alimentos e suprimentos médicos, pânico generalizado, países inteiros em quarentena e muita desinformação são apenas parte da consequência das centenas de milhares de infectados e milhares de falecimentos que mantêm o mundo em alerta.

Mas, apesar de todas as coisas terríveis que a pandemia trouxe, ainda há boas notícias em todas as partes do planeta. Os canais limpos de Veneza e os 120 touros que foram salvos nas touradas agora suspensas na Espanha são apenas duas das consequências positivas do surgimento do novo coronavírus. E agora mais uma boa notícia em meio a tanto caos: 78 elefantes foram finalmente libertados depois de serem imensamente explorados.

O caso aconteceu no campo de elefantes Maesa, em Chiang Mai, norte da Tailândia. Os 78 animais transportaram turistas por longos 44 anos, mas o COVID-19 dizimou o turismo.

Sem uma previsão para o fim da pandemia e tendo em vista a proibição de negócios turísticos, os proprietários desses elefantes decidiram desfazer-se dos enormes vagões de madeira e metal que estão presos nas costas dos elefantes o dia todo.

A diretora do acampamento, Anchalee Kalampichit, disse que esta foi a primeira vez em 44 anos que os elefantes não usaram os assentos no início do dia: “A empresa agora mudará seus negócios para permitir que os elefantes circulem livremente pelos jardins e estão construindo um local em que os visitantes possam observar os animais. Os 78 elefantes nunca mais precisarão transportar turistas”, disse ela.

“Desde que entramos no negócio em 1976, andar de elefante sempre foi a atividade favorita dos turistas, mas como o coronavírus se espalhou, houve menos turistas e, finalmente, o governo ordenou que fechássemos, então removemos as cadeiras. para libertar os elefantes ”.

“Não estamos planejando recolocar os suportes dos assentos nos elefantes, mesmo que possamos operar novamente. Queremos mudar o estilo do local e encontrar formas mais naturais para o público apreciar os elefantes. Daremos as boas-vindas aos turistas para que gostem de aprender sobre os modos de vida dos elefantes naturalmente, em vez de usá-los para entreter os turistas ”.

***

Redação CONTI outra. Com informação de Nation

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




REDAÇÃO CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.