17 táticas para melhorar drasticamente a comunicação em relacionamentos

Abaixo estão 17 maneiras que podem ajudar você a melhorar sua comunicação nos relacionamentos, cultivar espaços seguros, sentir-se mais conectado e fortalecer seus vínculos.

Você é talentoso, tem ótimas ideias e trabalha duro, mas muitas vezes não é reconhecido, é mal compreendido e subestimado.

Seja nas suas relações pessoais ou profissionais, você se sente frustrado com a frequência com que as pessoas podem interpretar mal o que você tem a dizer.

Se ao menos houvesse algo que as pessoas pudessem fazer para ler sua mente e sentir suas emoções. Certo?

Desculpe. Embora algo assim não exista, existe uma coisa boa, que é adotar algumas estratégias simples para melhorar sua comunicação nos relacionamentos.

Porque a comunicação falha

A amígdala, que também é conhecida como o “cérebro de lagarto”, é uma parte em forma de amêndoa do seu cérebro que está constantemente à procura de qualquer coisa que possa ser prejudicial a você. Basicamente, está preocupada com sua sobrevivência.

E enquanto ela zela pela sua sobrevivência física, como em momentos em que há uma cascavel em seu caminho durante uma caminhada, ela também zela por sua sobrevivência emocional.

É por isso que quando alguém diz algo que te ofende, isso ativa sua amígdala e, como resultado, você fica na defensiva. Vira aquela batalha de ataque contra defesa entre vocês dois.

E, como tenho certeza de que você já experimentou, quando você está na defensiva durante uma conversa, geralmente nada acaba sendo resolvido. O dano está feito, os sentimentos estão feridos e o relacionamento começa a se romper.

Mas eis o seguinte:

Para melhorar sua comunicação, primeiro você deve aprender como ajudar as pessoas a se sentirem seguras para conversar com você, implementando maneiras de acalmar suas amígdalas, a fim de ajudá-las a estarem abertas a conversas genuínas.

Táticas para melhorar a comunicação nos relacionamentos

Abaixo estão 17 maneiras que podem ajudar você a melhorar sua comunicação nos relacionamentos, cultivar espaços seguros, sentir-se mais conectado e fortalecer seus vínculos.

Nota: Embora eu use a palavra “parceiro” para me referir à pessoa com quem você está se comunicando, essas técnicas se aplicam a todos os tipos de relacionamento, seja conhecer alguém novo, um conhecido ou um amigo de longa data.

1. Mostre suas mãos

De acordo com Vanessa Van Edwards, autora do livro Captivate, estudos de rastreamento ocular mostraram que a primeira coisa que as pessoas realmente olham ao encontrar alguém novo são suas mãos.

Enquanto a maioria acha que são os olhos, a boca ou o rosto, a razão pela qual primeiro olhamos para as mãos é verificar rapidamente se estamos fisicamente seguros com a pessoa.

“A razão [para verificar as mãos] é por causa de algo que não estamos conscientes, que é quando não podemos ver as mãos de alguém que a parte do medo da nossa amígdala começa a se ativar.” -Vanessa Van Edwards

Van Edwards compartilhou uma pesquisa fascinante que mostrou que quando os réus colocam as mãos no colo ou nos bolsos, onde os jurados não podem vê-las, os jurados classificam os réus como mais sorrateiros, indignos de confiança e difíceis de se conviver.

Ter as mãos visíveis é tão prático quanto mostrar à outra pessoa que você não tem uma arma nas mãos. Então, se você está falando publicamente, conhecendo alguém novo ou conversando com um amigo, não se esqueça de mostrá-las.

O que fazer?

Evite colocar as mãos nos bolsos ou nas costas ao falar com alguém. Pode fazê-los sentir que você tem algo a esconder.

Use suas mãos para reconhecer a outra pessoa, seja uma onda ou um aperto de mão para ajudar. Isso ajuda a pessoa subconscientemente a baixar a guarda.

2. Toquem um ao outro

Há uma história famosa sobre quando o professor de Harvard, Nathan Fox, PhD, entrou em um orfanato romeno e notou o silêncio em uma sala cheia de crianças. Ele percebeu que era porque os choros dos bebês não estavam sendo atendidos desde a chegada, a ponto de desistirem de chorar para expressar suas necessidades.

Os bebês estavam sempre em seus berços, exceto quando precisavam ser alimentados, banhados ou trocados.

Um dos principais componentes ausentes no atendimento dessas crianças foi o toque. Não houve interação diária, segurando e aconchegando essas crianças para se relacionarem com elas.

Evidências mostraram resultados significativos dessas crianças, sendo muito mais atrasadas no desenvolvimento na vida em comparação com outras crianças que cresceram em famílias amorosas.

A ciência mostra que o toque humano desencadeia a liberação do hormônio oxitocina, que é o “hormônio do amor”. É o que ajuda você a experimentar os sentimentos de confiança, devoção e vínculo. Também foi mostrado que ajuda a diminuir os níveis de estresse. [1]

O que fazer?

Incorpore interações físicas mais apropriadas em suas conversas. Um simples aperto de mão serve para pessoas com quem você não é tão próximo.

Para amigos mais próximos, você pode querer incorporar mais abraços. Para o seu parceiro, sinta-se à vontade para incorporar mais aconchegos, massagens e carícias.

3. Use “amaciadores” antes de questionar

Fazer perguntas é importante para ajudar você a entender de onde seu parceiro está vindo, mas se perguntar da maneira errada, isso pode desencadear uma resposta defensiva.

É importante certificar-se de que você não parece estar interrogando a pessoa, mas sim demonstrar que está genuinamente interessado em aprender mais sobre a história e os sentimentos da outra pessoa.

Uma maneira de ajudar seu parceiro a se sentir mais aberto para responder às suas perguntas sem ficar na defensiva é usar amaciadores para as suas perguntas, para mostrar que a pergunta vem de um lugar de curiosidade, não de acusação.

O que fazer?

Comece suas perguntas com frases como “Por curiosidade…” ou “Só para ter certeza de que estou na mesma página…” ajudará a evitar que a outra pessoa fique na defensiva.

Em vez de iniciar a pergunta com “por que”, comece a pergunta com “o quê”. Por exemplo, em vez de perguntar: “Por que você fez isso?”, pode perguntar: “O que te levou a fazer isso?”. Ou, para torná-la ainda mais gentil, você pode perguntar: “Em que situação você estava que o levou a fazer isso?”

4. Mantenha as coisas simples

Você já viu alguém tentar explicar algo para você que estava além da sua compreensão?
Todos nós pensamos de forma diferente e às vezes é difícil comunicar algo para outras pessoas, especialmente se vocês têm diferentes antecedentes pessoais e profissionais.

A razão para isso é o que Chip e Dan Heath chamam de “maldição do conhecimento”, onde você está tão envolvido em seu mundo que não consegue deixar de usar a linguagem específica ao tentar explicar algo para alguém que não está familiarizado com o que você faz.

É por isso que é importante estar familiarizado com quem você está falando. Embora você possa falar com um colega de trabalho de uma maneira, talvez seja necessário explicar as coisas de maneira diferente para um amigo ao tentar explicar a mesma coisa.

O que fazer?

Evite usar linguagem específica ou técnica que a pessoa comum possa não entender.

Ao explicar algo em que você é muito mais fluente do que a outra pessoa, pratique explicar as coisas de uma forma que qualquer pessoa possa entender. Aqui está um exemplo:

Complicado: “Hoje eu cuidei do meu primeiro paciente no pronto-socorro e vi literalmente os efeitos dopaminérgicos do vasopressor que nós aplicamos, uma vez que elevou o ritmo cardíaco e o MAP”.

Simples: “Eu cuidei do meu primeiro paciente na sala de emergência hoje e vi como a droga que lhe demos instantaneamente salvou sua vida”.

Certifique-se de não explicar as coisas de uma maneira condescendente. Pode ser frustrante, por vezes, quando leva algum tempo para alguém entender o que você está tentando explicar, mas vê-lo como você está informando uma pessoa inteligente, em vez de ajudando uma pessoa lenta a entender o assunto.

5. Crie momentos “eu também”

É fácil ser pego falando sobre si mesmo, mesmo sem perceber se a outra pessoa está interessada ou não. Isso tende a acontecer especialmente quando você tem algo interessante para compartilhar.

O que a maioria das pessoas não percebeé que grandes comunicadores sabem como procurar e criar momentos que levem a outra pessoa a pensar em seu cérebro: “Oh meu Deus, eu também!”

Isso ajuda a promover um senso de ligação e abertura que cria um espaço para uma melhor comunicação.

O que fazer?

Ao ouvir a outra pessoa durante uma conversa, faça anotações mentais. Que tipo de coisas ela fica animada para falar? Que tipo de pano de fundo e visão de mundo ela tem? Em seguida, comece a fazer perguntas sobre esses tópicos e inicie uma discussão.

Mesmo se você for o único a falar, é uma ótima ideia prestar atenção à linguagem não verbal da outra pessoa, para ver se ela está ressoando ou se conectando com o que você está compartilhando.

Se ela parece interessada, dê a ela um momento para responder e compartilhar com você sobre como ela pode relacionar. Se ela parecer desinteressada, converse e faça perguntas sobre ela para ver se há algo que ela diga que fará você dizer “eu também!”

6. Apenas interrompa quando for absolutamente necessário

Você provavelmente sabe como é quando está no meio de compartilhar algo e alguém o interrompe animadamente, porque ele tem algo que quer dizer. A conversa é sequestrada e entregue à outra pessoa sem que você termine o que queria dizer.

Quando você está interrompendo alguém, isso mostra claramente duas coisas:
Em primeiro lugar, você não está ouvindo, mas está esperando pela oportunidade de falar algo que estava pensando.

Em segundo lugar, você está mais focado em seus próprios pensamentos do que nos da pessoa que fala.

O que fazer?

Espere a outra pessoa terminar de falar. A única ocasião em que pode ser apropriado interromper alguém é se você estiver em uma situação sensível ao tempo e as coisas começarem a sair do assunto.

Pratique a escuta ativa. Tente não se preocupar com uma resposta espirituosa, mas preste atenção no que a outra pessoa está tentando expressar. Em seguida, tire um momento para respondê-la.

7. Espelhe o cérebro do seu parceiro

As duas metades do seu cérebro funcionam de maneira muito diferente. Seu hemisfério direito é o lado emocional e seu cérebro esquerdo é o lado lógico.

É importante saber de qual parte do cérebro seu parceiro está falando para que você possa responder adequadamente.

Por exemplo, imagine que você queria compartilhar sobre o quão horrível seu dia estava no trabalho, e seu parceiro apenas respondeu com sugestões sobre coisas que você deveria ter feito de maneira diferente sem reconhecer seus sentimentos.

Ou no outro lado, imagine que você só precisa descobrir como consertar um cano com vazamento na casa e seu parceiro começa a perguntar como você está se sentindo sobre isso.

É por isso que é importante usar o mesmo lado do cérebro que seu parceiro está usando para se conectar e melhorar sua comunicação.

O que fazer?

Escute seu parceiro e identifique de que metade do cérebro ele está falando. Pergunte a si mesmo: ele está tentando expressar um sentimento ou tentando descobrir alguma coisa com você?

Se a conversa for sobre a tentativa de encontrar uma resposta para um problema ou questão específica, responda de acordo com o seu lado lógico, fazendo um brainstorm em conjunto.

Se a conversa é sobre uma história que seu parceiro está tentando lhe dizer que mostra como ele se sente, responda com seu lado emocional, com empatia e valide seus sentimentos.

8. Comunique seus sentimentos através de histórias.

Quando você diz a alguém que está com raiva, essa pessoa será capaz de observar o fato de que você está com raiva, mas isso é o máximo possível.

Se, no entanto, você compartilhar uma história sobre como seu chefe fez um comentário rude e impreciso com você na frente de toda a equipe, seu parceiro poderá se imaginar em seu lugar e entender como aquilo é sentido.

É por isso que podemos perder a noção do tempo em um ótimo filme. Histórias têm o poder de trazer você para as experiências de outra pessoa.

Mais importante, ajuda as pessoas a sentirem o que você sente.

O que fazer?

Pratique expressar suas experiências e sentimentos através de histórias. Tente ser detalhista.

Por exemplo, não diga apenas que você teve um dia ruim. Compartilhe os detalhes específicos sobre o que aconteceu:

• Quem estava lá?
• Como você se sentiu quando aconteceu?
• O que você acha que causou aquilo?

9. Dê muitas microexpressões positivas

Psicólogo influente, o Dr. Paul Ekman ajudou a cunhar o termo “microexpressões.” [2] Ele a define como expressões faciais involuntárias que ocorrem dentro de 1/25 de segundo, que pode refletir com precisão verdadeiras emoções de uma pessoa.

Essas microexpressões podem ser positivas ou negativas e a pesquisa mostrou o impacto que elas têm sobre outras pessoas.

Vanessa Van Edwards disse que os estudos mostraram que os funcionários que receberam microexpressões negativas de seus gerentes tiveram desempenho muito pior do que os funcionários que receberam microexpressões positivas, apesar das afirmações orgulhosas do gerente de que ele trata todos os funcionários igualmente.

Microexpressões são exatamente a razão pela qual às vezes você pode perceber se uma entrevista de emprego foi bem ou não.

Seja uma rápida revirada de seus olhos, uma carranca ou sobrancelhas franzidas, esses são todos os microcomportamentos negativos que podem fazer com que seu parceiro se sinta inseguro para se conectar com você.

Microexpressões positivas, como sorrisos autênticos, acenos de cabeça e inclinações, ajudarão seu parceiro a se sentir mais aberto para se comunicar com você.

O que fazer?

• Incline-se para mostrar ao seu parceiro que você está comprometido e pronto para ouvir o que ele/ela tem a dizer.
• Concorde com a cabeça durante a conversa para mostrar que você está ouvindo.
• Relaxe seu corpo e jogue seus ombros para trás.
• Responda com sorrisos quando apropriado.

10. Dê toda a sua atenção

Imagine que você está jantando com seu parceiro e ele/ela está compartilhando algo importante com você, mas você se vê constantemente distraído.

Há tantas coisas competindo por sua atenção, seja seu telefone tocando, as pessoas que estão passando ou toda a agitação acontecendo ao longe no restaurante.

Quando você se distrai, é fácil para as outras pessoas perceberem e isso pode fazer com que a amígdala de seu parceiro lute com raiva por sua atenção ou se desvencilhe de você.

De qualquer forma, isso não promove um espaço seguro para uma boa comunicação.

O que fazer?

Tente eliminar qualquer distração com o melhor de sua capacidade:

• Desligue o telefone e coloque no modo silencioso.
• Mantenha contato visual. Isso libera oxitocina no cérebro e cultiva a confiança e a conexão. [3]
• Durante conversas importantes, se o ambiente estiver muito alto ou tiver muitas pessoas por perto, considere mudar para um espaço mais calmo e seguro.

11. Entenda como seu parceiro se sente apreciado

Dr. Gary Chapman explica em seu livro best-seller, As Cinco Linguagens do Amor, sobre como todos têm maneiras específicas em que ele/ela se sente mais amado e apreciado. Ele os categoriza em “linguagens do amor” e existem cinco tipos: presentes, palavras de afirmação, atos de serviço, toque e bons momentos.

As linguagens do amor podem ser aprendidas e quando você descobre qual é a melhor para falar com o seu parceiro, a comunicação entre si melhorará significativamente.

Os olhos do seu parceiro acendem quando você dá um presente? Então a linguagem do amor são os presentes.

Ou talvez ele/ela brilha e fica energizado depois de ter uma conversa profunda e longa. Então a linguagem do amor são bons momentos.

Ou talvez depois de chegar em casa depois de um longo dia, seu parceiro só precisa abraçar e receber uma boa massagem. Então a linguagem do amor é o toque.

O que fazer?

Use a avaliação da Linguagem do Amor para aprender não apenas de si mesmo, mas também para aprender como identificar as linguagens do amor de outras pessoas.

Você e seu parceiro não precisam falar exatamente as mesmas linguagens do amor para ficarem juntos, vocês só precisam entender os idiomas um do outro.

12. Conheça o nível de entusiasmo do seu parceiro.

Imagine que seu parceiro chega em casa animado, querendo lhe contar ótimas notícias.

Você teve um longo dia e agora está ocupado preparando o jantar, então responde de forma reativa: “Você consegue esperar? A massa está fervendo, o bebê está chorando e a mesa ainda não está pronta”.

Quando você finalmente se acalma na mesa de jantar, pergunta ao seu parceiro qual foi a ótima notícia. Com sua excitação agora diminuída, ele/ela responde sem entusiasmo: “Ah, não é grande coisa, mas eu finalmente consegui a promoção que estava procurando”, ao que você responde: “Isso é ótimo! Você pode passar o sal?”

Um dos sentimentos mais difíceis ocorre quando você compartilha notícias emocionantes e a outra pessoa não atinge seu nível de entusiasmo.

Agora imagine o exemplo anterior, como seria diferente para o seu parceiro quando ele/ela chega em casa para compartilhar as notícias excitantes e você desliga o fogão e com um olhar de antecipação e pergunta: “O que foi? “. Ele/ela compartilha a grande notícia e vocês dois pulam para cima e para baixo, então você sai para abrir uma garrafa de champanhe para servir com o jantar.

Encontrar seus parceiros em seu nível de excitação no momento em que tal coisa acontece comunica que você está disposto a estar presente com ele durante os momentos de alegria.

O que fazer?

Quando sentir a empolgação de seu parceiro, pare o que está fazendo por um breve momento e depois junte-se ao entusiasmo. Isso ajudará a liberar o hormônio da felicidade, a serotonina, em ambos os seus cérebros e lhe dará um impulso em seu humor.

13. Acabe com a conversa fiada

Você já teve uma conversa como essa?

“Como você está?”
“Eu estou bem! E você?”
“Eu estou bem também!”
(Silêncio constrangedor)

A conversa fiada o coloca no piloto automático porque você ouve os mesmos tipos de perguntas e faz com que você habitualmente dê as mesmas respostas.

Fazer perguntas interessantes e envolventes irá ativar os cérebros das pessoas e fazê-las pensar ativamente em vez de reagir às conversas de rotina.

O que fazer?

Tente fazer perguntas que você esteja realmente interessado e adoraria ouvir as respostas:

• Em vez de perguntar: “Como vai você?”, diga algo como: “Me conte sobre o seu dia”.
• Em vez de perguntar: “Como vai?”, pergunte algo como: “Trabalhando em algo excitante esses dias?”
• Em vez de perguntar: “De onde você é?”, pergunte algo como: “As férias estão chegando?”

14. Responda em vez de reagir

Quando você sente uma certa emoção depois que seu parceiro compartilha algo desafiador com você, como um desentendimento, é fácil reagir e dar uma resposta sem pensar. Muitas vezes, isso leva à defensividade e se torna menos aberto a conversas produtivas.

Simplesmente trazer consciência para si mesmo nesses momentos lhe dá o poder de fazer uma escolha e usar a parte pensante de seu cérebro para avaliar a melhor forma de responder à situação. Em vez de deixar sua amígdala assumir o controle, fazendo com que você reaja e suba suas paredes para se defender, simplesmente reserve um momento para estar ciente do que está acontecendo.

Apenas verbalmente expressar o que está acontecendo funciona bem. Por exemplo, neste momento você pode simplesmente expressar: “Estou me sentindo inadequado agora porque…”

Apenas entender a situação ajuda você a sair de um modo reativo e o coloca em um modo proativo, no qual você pode tomar melhores decisões para melhorar sua comunicação.

O que fazer?

Quando seu parceiro discordar de você ou dizer algo que você não concorda, pare um momento para perceber se você está se sentindo defensivo ou não. Especialmente se você está se sentindo magoado.

Então tire um momento para se perguntar, como estou me sentindo agora? Verbalize esse sentimento para o seu parceiro.

Depois, pense em como você pode responder melhor à situação para torná-la uma conversa produtiva em vez de destrutiva.

15. Torne-se um destacador

O que o psicólogo chama de efeito Pigmalião tem mostrado que as pessoas têm grandes expectativas quando feitas corretamente.

Por exemplo, se você se comunica com seu amigo: “Tem sido uma inspiração ver o quanto você é dedicado como professor. Eu consigo ver o quanto você é forte e corajoso para garantir que seus alunos prosperem, porque você continua trabalhando mesmo quando é difícil.”

Seu amigo provavelmente tentará e continuará trabalhando duro para sustentar essa expectativa de ser uma pessoa corajosa.

A comunicação dessa maneira não apenas ajuda seu parceiro a crescer, mas também ajuda a se sentir mais atraído por você e a estar mais aberto à conversa.

Então, à medida que você continua se comunicando e destaca o que acha impressionante sobre o seu parceiro, pode perceber que ele está progredindo para continuar melhorando.

O que fazer?

• Quando você apresenta um amigo a alguém, não apenas apresente seus nomes, mas também mencione algo que você ama ou acha interessante sobre ele ou ela.
• Comece um diário de gratidão sobre o seu parceiro e registre toda vez que estiver agradecido por algo sobre ele ou ela.
• Destaque qualquer crescimento e melhorias que você esteja percebendo sobre seu parceiro. Isso aumentará as chances de sucesso e persistência dele/dela quando as coisas ficarem difíceis.

16. Ajude a mostrar ao seu parceiro que não há problema em ter sentimentos

Nas culturas em que mostrar suas emoções pode ser considerado um sinal de fraqueza, surge um equívoco de que sentimentos desconfortáveis são algo ruim. Isso provoca uma cadeia de interações doentias entre as pessoas ao tentar se comunicar com clareza.

Por exemplo, se você cresceu acreditando que chorar é um sinal de fraqueza, é provável que também fique desconfortável quando alguém chora na sua frente.

É isso que faz com que muitas pessoas reajam tentando “consertar” as emoções do parceiro, oferecendo sugestões sobre o que fazer, em vez de simplesmente ouvir e ter empatia.

Os sentimentos não devem ser corrigidos ou evitados. Eles devem ser sentidos, não importa o quão desconfortável.

O que fazer?

Mostre ao seu parceiro que não há problema em sentir seus sentimentos, simplesmente os validando. Por exemplo, se ele/ela fala com você sobre algo perturbador que aconteceu no trabalho, você pode responder: “Isso realmente é um saco. Eu teria ficado chateado também se estivesse na mesma situação”.

Esse tipo de resposta mostra que os sentimentos que seu parceiro está vivenciando são sentimentos válidos que podem ser experimentados.

Se você se sentir desconfortável, isso fará com que seu parceiro se sinta desconfortável também, e isso pode fazer com que ele/ela sinta que há algo errado em experimentar tais sentimentos.

17. Abrace a vergonha com empatia

A empatia é a maneira mais importante de melhorar sua comunicação nos relacionamentos. E os momentos em que você mais precisa ter empatia é quando seu parceiro está tendo um momento de vergonha.

Especialista em vergonha vulnerabilidade, a Dra. Brene Brown lista alguns cenários que causarão problemas de comunicação entre duas pessoas. Provavelmente você já experimentou como é tudo isso:

• O amigo que ouve sua história e realmente sente vergonha por você. Ele/ela suspira e confirma o quão horrorizado você deveria estar e então há um silêncio constrangedor. Agora você está preso, sentindo que é você que precisa ajudar seu amigo a se sentir melhor.

• O amigo que responde com simpatia no lugar de uma resposta como: “Sinto muito por você”, respondendo algo como: “Oh, coitadinho”.• O amigo que confiou em você para ser o pilar de dignidade e autenticidade, mas o seu parceiro não consegue ajudar, porque ele/ela está desapontado com as suas imperfeições.
• O amigo que está tão desconfortável com a vulnerabilidade, que ele/ela repreende você, dizendo: “Como você deixou isso acontecer?”
• O amigo que faz de tudo para amenizar seus desconfortos e se recusa a reconhecer seus sentimentos.
• O amigo que confunde a conexão com a oportunidade de animar você, dizendo: “Isso não é nada! Bem, ouça o que aconteceu comigo!”

O que fazer?

Pratique responder com empatia quando seu parceiro estiver comunicando uma vergonha com você. A acadêmica de enfermagem Theresa Wiseman compartilha os quatro atributos da empatia:

• Ser capaz de ver o mundo como os outros o veem. Isso requer colocar a sua própria perspectiva de lado para ver a situação através dos olhos do seu parceiro.
• Não julgar. O julgamento invalida a situação do seu parceiro e é, na verdade, um mecanismo de proteção para evitar sentir o desconforto e a dor da situação.
• Entender os sentimentos de outra pessoa. Para fazer isso, você deve estar ciente de seus próprios sentimentos, a fim de compreender os de seu parceiro.
• Comunicar sua compreensão dos sentimentos dessa pessoa. Ao invés de tentar fazer o seu parceiro se sentir melhor, ou “consertar” as coisas com respostas como: “Pelo menos não é pior do que…” ou “Você deve…” tente se conectar e validar seus sentimentos, dizendo coisas como: “Isso é péssimo…” ou “Eu odeio quando isso acontece porque realmente dói…”. Brene Brown dá uma ótima sugestão sobre como ter empatia, especialmente se você nunca esteve na mesma situação do seu parceiro. Ela sugere: “Parece que você está em um lugar difícil agora. Me fale mais sobre isso”.
Cultive um espaço seguro para uma melhor comunicação

No final do dia, a coisa mais necessária para melhorar a comunicação é ajudar a estabelecer um espaço seguro entre a pessoa com quem você está conversando.

Se você não se sentir seguro com a pessoa com quem está falando, ficará automaticamente na defensiva em sua conversa. Em vez de realmente ouvir o que a outra pessoa tem a dizer, você pode estar preocupado e planejar o que quer dizer em resposta, para que possa se posicionar como competente ou parecer melhor.

Todas as técnicas listadas aqui são simplesmente formas de ajudar a desarmar os cérebros das pessoas de entrarem no modo de defesa e se sentirem seguras para ter uma conversa honesta e genuína com você. Por sua vez, isso resultará em uma troca saudável de escuta e resposta autênticas.

Vá em frente, experimente todas!

Referência

[1] ^ NPR: Human Connections Start With A Friendly Touch
[2] ^ Dr. Paul Ekman: Micro Expressions
[3] ^ The Liberators International: World’s Biggest Eye Contact Experiment (Official Release 2015)

Tradução CONTI outra. Do original: 17 Tactics to Drastically Improve Communication in Relationships, escrito por Eugene K. Choi

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.