12 ações que retiram a credibilidade de qualquer um

Diz o conhecimento popular que construir uma reputação é algo que leva anos, mas basta um deslize para que a pessoa manche a sua imagem.

Diz o conhecimento popular que construir uma reputação é algo que leva anos, mas basta um deslize para que a pessoa manche a sua imagem. Às vezes, o julgamento das pessoas é injusto, mas também temos que ter a clareza de que somos seres sociais e a nossa imagem pode ser abalada através de comportamentos que nós mesmos fazemos e que agridem os limites de convivência com outras pessoas.

Abaixo, segue uma lista de alguns comportamentos que facilmente atrapalham a credibilidade das pessoas que os cometem com frequência. Será que você faz algum deles e ainda não percebeu?

1- Não dar crédito às pessoas que ajudam em um projeto;

Se não é seu, diga de quem é.

2- Copiar o projeto de outras pessoas ao invés de trilhar seus próprios caminhos;

É verdade que nada se cria e tudo se copia (mas é uma verdade relativa). O que não é verdade é que essa cópia deve ser idêntica. Se for criar algo, adicione sua personalidade, use informações de forma diferente, e não leve os dados e pessoas de outro lugar indiscriminadamente. Isso só mostra falta de capacidade, o que atrapalha tanto a pessoa que foi copiada quanto o novo projeto que se inicia. Se vai fazer algo novo, ofereça algo novo.

3- Tratar pessoas de forma diferente;

Sim, devemos nos adaptar aos outros, mas isso não implica tratar pessoas de forma melhor em detrimento de outras. O texto “A forma como trata um garçom revela a sua personalidade.” é um bom exemplo disso.

4- Dizer que fará ou resolverá algo e não honrar com o compromisso, sendo esse comportamento algo contínuo e não uma exceção;

Para qualquer intercorrência que impeça algo de ser feito exista a palavra “satisfação” que, quando em prática, muda todo o contexto da pessoa que espera pelo serviço. No não cumprimento da palavra, use-a sem moderação.

5- Dar desculpas esfarrapadas para falhas pessoais óbvias. Nesse caso, além da falha do ato, a mensagem ainda é de que o outro é um bobo que cairá na conversa fiada;

Isso parece um vício que vem da infância. A pessoa não faz o que devia, mas ao invés de assumir os motivos da sua falha (para o outro e até para si mesmo), apega-se a desculpas pouco convincentes e na culpabilização de terceiros. Isso é feio, revela pouca maturidade porque ainda reproduz o comportamento da criança que quer fugir da advertência dos pais, e prejudica muito a credibilidade de quem o faz.

6- Falta de humildade ao lidar com pessoas da convivência- e principalmente com desconhecidos. Isso mostra arrogância e baixa inteligência emocional;

“Quando um burro fala o outro abaixa a orelha” é o ditado popular que indica que existe hora certa para se colocar. Se você não tem muita intimidade ou está iniciando um contato ou projeto, aprenda a ouvir e a entender todo o contexto antes de se impor. A confiança é algo a ser conquistado. Se você não souber a hora de se impor, a única coisa que conseguirá é a exclusão do grupo e o descrédito.

7- Achar que as pessoas têm obrigação de servi-lo, limpar sua sujeira ou mesmo pagar suas contas;

Isso também é inaceitável. Não há desculpa de criança mimada pelos pais que justifique falta de educação. É preciso entender as relações sempre como via de mão dupla. Se você foi a casa de alguém e tomou um café, no mínimo, se ofereça para lavar a louça. Se foi a um restaurante, ofereça-se para dividir a conta. Mesmo que você saiba que a sua oferta não será aceita, não ofertar só mostrará o quanto você não tem consideração pelas pessoas que o rodeiam.

8- Tentar empurrar convicções pessoais goela abaixo de quem pensa diferente;

Isso não adianta, nunca adiantou e nunca adiantará. Não é possível forçar argumentos sem escravizar uma pessoa. Conversar exige um contato de mão dupla e a mudança de comportamento de alguém só acontecerá de verdade se for por própria opção.

9- Achar que quem pensa diferente está errado e julga-lo ingênuo por isso;

Ingênuo, no fim das contas, é quem pensa isso. As pessoas são diferentes, possuem história e valores diferentes. Em um mesmo contexto podem existir múltiplas verdades.

10- Discussões grosseiras por causa de política.

Triste e lastimável a postura atual de achar que o mundo é uma folha com um lado negro e outro branco, que existe apenas uma dualidade e que é impossível conviver com aqueles que têm uma visão diferente. Não concordar não é justificativa para agredir. Se você não dá conta de articular sobre a diferença, talvez valha mais a a pena o afastamento.

11- Mentir com frequência;

Nenhuma relação sobrevive a mentira frequente.

12- Falta de empatia.

Falta de empatia é falta de humanidade e, no final das contas, se não nos comportarmos com respeito e consideração pelo outro a única coisa que conseguiremos é a indiferença daqueles que gostam de nós.

Você pensou em algo mais? Escreva nos comentários.

Imagem de capa: Twinsterphoto/shutterstock

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Josie Conti
É idealizadora e administradora do site CONTI outra. Psicóloga formada há 16 anos, teve sua trajetória profissional passando por diversas áreas de formação e atuação como educação, clínica, recursos humanos e saúde do trabalhador. Hoje, utiliza o conhecimento adquirido para seleção de pessoal e de material adequado aos sites com que trabalha. Teve um programa diário, o CONTI oura, na rádio 94.7 FM de Socorro. Atualmente realiza vídeos, palestras, entrevistas, e escreve para diversos canais digitais. Sua empresa ainda faz a gestão de sites como A Soma de Todos os Afetos e Psicologias do Brasil. Possui mais de 10 milhões de usuários fidelizados entre seus seguidores diretos e seguidores dos sites clientes. Em 2017, foi convidada para falar sobre conteúdo de qualidade no evento “Afiliados Brasil” de São Paulo, à convite da Uol, pois o CONTI outra foi considerado um dos melhores sites de conteúdo ligados a empresa.