10 filosofias japonesas para você incorporar no seu cotidiano!

Ao abraçar as falhas de um objeto precioso, de certa forma, também estamos abraçando nossas próprias falhas.

Por , do Japão em Foco

Quando ouvimos pela primeira vez sobre kintsugi, a tradicional prática japonesa de reparar cerâmica quebrada com uma cola feita com pó de ouro, ficamos impressionados com a filosofia por trás dela que é valorizar as marcas de desgaste pelo uso de um objeto. Ao abraçar as falhas de um objeto precioso, de certa forma, também estamos abraçando nossas próprias falhas.

“O aprendizado é a chave para o kintsugi , e nunca paramos de aprender”, diz Candice Kumai, uma influenciadora americana que aborda alimentação, saúde e bem estar. Candice Kumai é também autora do livro “Kintsugi Wellness: The Japanese Art of Nourishing Mind, Body, and Spirit”, um livro que ajuda a incorporar a filosofia kintsugi em todos os aspectos de nossas vidas. Muito interessante né? Quer saber como fazer isso? Confira algumas de suas dicas:

1. Wabi Sabi: Admire a Imperfeição

Wabi-sabi é uma filosofia que celebra as imperfeições da vida. A partir dessa perspectiva, um vaso de flores murchas é tão bonito quanto um vaso de flores recém colhidas, explica Kumai. Desta forma, o wabi-sabi pode nos ajudar a apreciar e reformular o que consideramos feio.

Ou seja, o Wabi Sabi pode nos ensinar a apreciar – e reconsiderar – nossas formas físicas, seja uma cicatriz, linhas de expressão, sardas ou cabelos grisalhos. No mundo ocidental, muitas vezes somos obcecados pela simetria e perfeição. É difícil se olhar no espelho, ver uma enorme espinha na testa e não desejar encobri-lo rapidamente com um corretivo.

Mas a busca pelo padrão ‘perfeito’ é ilusório, porque a perfeição é passageira”, explica ela. Dê um passeio e observe toda a imperfeição da natureza, pare de se comparar com os outros e pratique a aceitação quando se olhar no espelho. Ame-se por completo, com todos os seus defeitos, virtudes, feridas e medos. Sabedoria não requer perfeição, lembre-se disso.

2. Gaman: Viva com Grande Resiliência

Quando algo inesperado acontece, você mantem a tranquilidade ou sai totalmente do controle? Gaman é a capacidade de suportar, permanecendo calmo, paciente e resiliente. Dependendo da circustância, o povo japonês “prefere ficar parado e permitir que a tempestade passe, suportando silenciosamente as mudanças ao longo do curso”, escreve Kumai.

Ao deixar as coisas exatamente como estão, entre outras coisas, evitamos sofrimento inútil, os sentimentos ineficazes de culpa e a teimosia dolorosa. Quando a tempestade passa, aí sim é o momento de arregaçar as mangas e se concentrar em uma solução para os problemas (ou seja, sem gastar energia em reclamar sobre algo que não pode ser mudado). Lembre-se: Não há sofrimento que dure para sempre, e eles nos tornam mais fortes e mais conscientes.

3. Eiyoushoku: Nutra seu Corpo

Dizem que o intestino é nosso segundo cérebro. Por isso é importante manter nossa geladeira abastecida com alimentos nutritivos e saudáveis. E a culinária japonesa está recheada desses alimentos tais como algas marinhas, arroz, macarrão, chá verde, especiarias como gengibre e açafrão, além de muitos vegetais. Não é a toa que o Japão detém as menores taxas de obesidade do mundo. Ah, não se esqueça de fazer atividade física regularmente, ok

4. Kiotsukete: Aprenda a se Cuidar

Lembre-se do que a comissária de bordo fez em sua última viagem aérea: coloque primeiro a máscara de oxigênio em si mesmo antes de ajudar os outros a usá-la. Não tenha medo de cortar pessoas negativas na sua vida. Confie nos seus próprios instintos. Concentre-se nas coisas boas e lembre-se de ter tempo para descansar e recarregar suas energias.

5. Ganbatte: Sempre faça o melhor

Leva tempo, paciência e concentração para fazer algo com o melhor de sua capacidade – mas pode ter certeza: Os resultados podem até ser melhores do que você pensou que fosse capaz. Tal esforço é algo inspirador e recompensador. Portanto, em tudo que se propor a fazer, dê tudo de si, chegue na hora certa e, mais o importante, seja sempre você mesmo.

6. Kaizen: Melhore Continuamente

Ganbatte e kaizen andam de mãos dadas. Lembre-se de que, embora você sempre queira dar o melhor de si, “nunca alcançará seu verdadeiro potencial”, explica Kumai. “Não importa até onde você chegue, sempre é possível melhorar a si mesmo como pessoa, assim como melhorar sua performance no trabalho e consequentemente melhorar suas condições de vida.”

7. Shikata ga nai: Aceite o que Não Pode ser Mudado

Shikata ga nai é uma expressão típica da cultura japonesa: lembre-se de que as coisas são como são e que nem sempre temos controle sobre nossas vidas. Há muita sabedoria em Shikata ga nai: Estar consciente de todas os dissabores que ocorrem em nossas vidas e que nem sempre temos a capacidade de fazer alguma coisa para mudar a realidade.

Precisamos saber como enxergar a diferença entre a necessidade de lutar e a de desistir para, assim, pode ir mais além, e seguir em frente. Shikata ga nai permite dar peso, esforço, empenho, suor, dar o melhor de si sempre que valer a pena e, ao mesmo tempo oferece a visão sábia para se acomodar, deixar rolar, sem resistência, mas fluir junto – da melhor maneira possível – em situações em que não podemos fazer nada para mudar alguma coisa.

8. Yuimaru: Cuide do seu Círculo Interno

Essa filosofia é toda sobre as pessoas que você se relaciona. Envolva-se com pessoas positivas e amorosas. Faça tudo que puder para manter contato, mesmo que sua família e amigos morem longe. E uma vez que você selecionou alguns poucos escolhidos, não tenha medo de ser vulnerável na frente deles – eles merecem conhecer o seu verdadeiro eu.

9. Kansha: Cultive a Gratidão Sincera

gratidão não precisa vir em forma presentes caros – um simples cartão ou um sorriso podem muitas vezes ser o suficiente. Junte-se a uma causa ou caridade em que você acredita, ajude seus amigos e familiares e permita que outras pessoas o ajudem em troca. Cultive sinceridade em tudo que você faz. E quando algo de bom acontecer em sua vida, seja sempre grato.

10. Osettai: Seja Útil aos Outros

Osettai está relacionado com a hospitalidade e amabilidade. Tem tudo a ver com compartilhar seu conhecimento com as pessoas ao seu redor. Não importa sua profissão ou foco de interesse. Sempre temos algo bom que pode ser compartilhado com os outros.

Mas, o mais importante, compartilhe seu coração – diga ao seu colega de trabalho que ele fez um ótimo trabalho hoje, ou conte à sua tia como ela é ótima em tricô. Sempre que você observar alguém fazendo algo com excelência, não hesite em elogia-lo. Além de receber um largo sorriso, você estará contribuindo para a melhoria contínua dessa pessoa! 🙂

Fonte: shape.com
Nota da Conti outra- Texto publicado originalmente no site Japão em Foco, espaço de extrema valia que recomendamos para todos os interessados na cultura japonesa.

Gostou do artigo? Não deixe de compartilhar com seus amigos!

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.