Você só é culpado pelo amor que não dá

O nome próprio marca a individualidade e é fundamental nas relações sociais.

José Saramago escreveu:

“Conheces o nome que te deram, não conheces o nome que tens”.

 

Leiam essa pequena história:

 

“Ela foi a primeira filha de três irmãos. Seu nome era Helena, embora não o ouvisse com frequência. Na casa, ela era chamada de “a menina”.

Nessa casa também habitavam um cão e uma gata sarnenta. Todos sem nome.

O pai tinha nome, era João. Porém, João não era um nome que vinha só, ele era o “João da Ditinha doceira”, em clara alusão à profissão de sua falecida mãe.

Na casa da menina a mãe era a primeira a acordar e a ultima a dormir. Cuidava da casa, fazia comida, lidava com as roupas, fugia do marido. Nos filhos, porém, não deixava olhar.

A menina se virava como podia. Quando menor, corria atrás da mãe. Já maior, corria atrás dos irmãos. Era preciso.

Quando a menina deixou de ser menina noutra casa foi morar. Tinha agora marido e filhos próprios.

O marido tinha nome: Antônio.

Antônio a chamava de Helena.

Nessa casa viviam Helena, Antônio e os filhos Rita e Maria Clara.

Helena estranhava ouvir o próprio nome, mas sabia que isso era bom.”

 

MORAL DA HISTÓRIA:

Você não é culpado pelo amor que não teve, mas é pelo amor que não dá.

Sua vida não precisa ser uma repetição.

Aceite ajuda, procure ajuda.

 

Josie Conti

COMPARTILHE
CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos. Sejam sempre bem-vindos! Josie Conti



COMENTÁRIOS