Valorize as pequenas alegrias. Um dia elas se tornam uma grande felicidade.

Assim como os lobos de uma alcateia, as ilhas nos arquipélagos, as aves voando em bando, os peixes em seus cardumes e os cachorros de uma matilha, as pequenas alegrias de uma vida é que fazem a sua grande felicidade.

Todo mundo sente tristeza, chora, sofre, sangra. Mas aí chega do nada um instante de ternura, um carinho da vida, um encanto breve. Uma alegria passa correndo, lambe a cara da gente como um cachorro desastrado e leva a tristeza embora, pendurada na boca.

Se ainda resta felicidade no mundo, ela é nada senão um substantivo coletivo: um conjunto de pequenas alegrias. São elas, as euforias à toa, os instantes de leveza, as risadas escapadas da couraça sisuda em que nos protegemos do mundo, são elas que fazem uma vida feliz.

Alegria a gente não guarda no banco, não aplica na bolsa nem troca por bens de consumo. A gente leva no coração. Gente feliz não joga alegria fora, não desperdiça um momento de riso, não perde uma chance de alegria aqui e ali.

Tem alegria de todo jeito, toda cor, todo tipo, mas as pequeninas, ahh… as alegrias minúsculas são enormes! A visita de uma velha amiga, o filho que melhora da febre alta, a gentileza inesperada, o banho em boa hora, o sono franco, o riso fácil, as fotografias reencontradas, o prato favorito, tudo, tudo aquilo que não vai nos deixar mais ricos, mas melhora nossa vida como nada mais há de fazer.

Então um dia, de tanto viver diminutas satisfações, a gente se dá conta do quanto é grande a nossa felicidade. Ligeira, fugidia, passageira. Mas enorme. Gigantesca! Grandiosa por ser feita de pequenas alegrias que vão, vêm e ficam para sempre.

COMPARTILHE
André J. Gomes
Jornalista de formação, publicitário de ofício, professor por desafio e escritor por amor à causa.



COMENTÁRIOS