Tem gente blefando com você? Pague para ver

Imagem de capa:  211743697/shutterstock

Pode demorar muito tempo para se descobrir um jogador, um apostador que se diverte e lucra com a confiança alheia. Ele aposta na boa fé, na consideração que recebe, na ausência de dúvidas quanto à relação de confiança.

E blefa sem piedade, planta situações, sugere outras, vai moldando a realidade de acordo com sua vontade. Então, em dado momento acontece a desconfiança, a lógica grita e pede atenção!

-Tem gente blefando comigo. Tem gente me cozinhando em banho maria, me guiando para um lugar que não desejo ir, para uma vida que não quero ter.

O jogo não é gritante e escancarado. O jogador estuda muito antes de começar as apostas. Quem blefa o faz olhando nos olhos, assertivamente. É difícil de não acreditar. Exige o que mais tememos: O senso crítico com quem não queremos sequer contrariar. O afeto protege o apostador da desconfiança que ele merece ser submetido.

Ao se deparar com um apostador, tenha cuidado. Ele fará qualquer coisa para garantir a vitória do que quer conquistar.

Desconfia de um blefe? Pague para ver. Se decepcione, descabele, desiluda, perca fichas, mas corte a sequência de blefes e jogadas. O blefe é um péssimo indicador. Demonstra como a confiança pode ser manipulada e usurpada.

A não ser que o jogo seja mútuo e de comum acordo, sempre haverá prejuízo, perda, decepção.

Não tenha medo de pagar para ver. Tenha medo sim de aceitar como verdade o que é apenas um blefe irresponsável. O jogador não se importa com o valor do que se apropria e destrói. Se para ele é um jogo excitante, jamais enxergará a lista de prejuízos causados.

E sem essa de defender o jogador. Fazemos muito, até demais. Tentamos inutilmente clarear e maquiar as intenções de quem, cedo ou tarde se revela. Boas intenções e jogadas manipuladoras não ocupam o mesmo espaço.

Na dúvida, se preserve. Haverá sempre um jogo justo a se jogar, cujo objetivo não seja derrubar o outro. Desconfiou de um blefe? Pague para ver, encare. Defenda suas fichas!

COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



Emilia Freire
Administradora, dona de casa e da própria vida, gateira, escreve com muito prazer e pretende somente se (des)cobrir com palavras. As ditas, as escritas, as cantadas e até as caladas.

COMENTÁRIOS