Sobre Marietas, Jôs & Rouanet

“Somente quem mama na teta do governo pode falar bem como ela. Os brasileiros que se dane. Até um teatro ela construiu no Rio. Espero que como eu ninguém mais vá prestigiar esta mulher que não ama o pais”

“Vaca igual ao safado do ex marido!”

“Vendida!”

 “Só podia, agora é moda só fala e elogia se receber, que pais é esse?”

“Eu tinha um apreço por esta senhora mas perdeu toda credibilidade com o Brasil ela e o gordo sem caráter”

Muita gente já viu aquele vídeo em que o Chico Buarque morre de rir, contando como foi quando ele descobriu que a internet é um poço de ódio. Só espero que a Marieta Severo tenha a mesma reação que ele, já que tudo o que tá escrito aí em cima foi dirigido a ela, em uma página do Facebook. Da última vez que dei uma olhada lá, tinha mais umas centenas de comentários desse mesmo teor, que publicou esse post aí embaixo.

marieta interno

         Não existe nada que faça perder mais a fé na espécie humana do que ler os comentários de um sites de notícias. Opiniões raivosas baseadas em falsas premissas sempre existiram, claro, não foram inventadas pela internet. Dizem que eram os comentários de mesa de bar, que antes só podiam atingir três ou quatro pessoas, e agora são expostos para milhões. Outra coisa que também não é invenção da web é usar mentiras e desinformação para dirigir o ódio de um grupo. Mas o que é a grande contribuição desse meio, é o poder e a intensidade com que ele atinge um número enorme de pessoas.

         E tudo é possível. Alguém resolveu criar um post, dizendo que a combinação de camarão e vitamina C causa envenenamento por arsênico. Se você parar dois segundos pra pensar – ou se quiser economizar neurônios e só se lembrar de alguma vez em que tenha espremido um limãozinho em cima do camarão em alguma praia – vai perceber que a notícia é absurda. Mas milhares de pessoas compartilharam essa notícia. Vez por outra, ela volta a aparecer na timeline, assim como notícias de sites de humor, postadas como se fossem verdadeiras.

         Esses comentários que eu separei aí em cima foram postados no Facebook, em resposta a uma suposta denúncia. Uma acusação, na verdade. Todo esse carinho foi motivado por uma postagem que acusa Marieta de ter defendido o PT pela simples razão de ter recebido dois milhões de reais do governo.

         No meio dos comentários, tem gente que tenta argumentar que Marieta não defendeu o PT, só fez uma afirmação que pode ser medida por qualquer pessoa que se disponha a fazer uma pesquisa séria. E que muito menos recebeu dois milhões de reais do governo, no máximo teve um projeto com esse valor aprovado na Lei Rouanet, se é que isso é verdade. (O site usou uma imagem ilegível, de definição bem baixa – como tudo o mais – nesse post.) Mas existe um prazer enorme em poder exercitar a maldade quando se acha que se está com a razão. Se alguém contestar o seu comportamento, sempre dá pra dizer que você fazia o que achava que era certo. E é com isso que contam esses sites que se especializam em espalhar boatos, destruir reputações e incitar o ódio: a sua participação bem-intencionada.

         Claro que ninguém é inocente. Em termos de internet, só acreditamos naquilo que já estamos predispostos a acreditar. Quem odeia um partido, vai acreditar em qualquer boato que sirva para desmoralizá-lo, por mais duvidoso que seja o boato. Na verdade, tanto faz se a pessoa acredita ou não, o importante é passar a desinformação pra frente. Tenho amigos virtuais que bradam contra a corrupção, mas sempre que podem, compartilham um boato, uma mentira, qualquer coisa que ajude a provar que estão certos em seu ódio.

         A Lei Rouanet tem sido usada sempre que se quer desqualificar alguém por um suposto apoio dado ao governo, como aconteceu nesse caso da Marieta e com Jô Soares. Pra funcionar, é preciso contar com a ignorância das pessoas sobre os mecanismos da Lei, mas eu tenho visto gente da área artística, gente que sabe como funciona a Rouanet, passando esse tipo de postagem pra frente. Não tá na hora de parar pra pensar se esse tipo de comportamento também não é uma forma de corrupção? Talvez esteja mesmo na hora de pensar. Pensar, por exemplo, se vale a pena destruir a reputação de uma pessoa pra se afirmar uma ideia. De um dia pro outro, Marieta Severo se tornou um ser desprezível, sem caráter, pra pessoas que antes a admiravam,. A gente tem que pensar no que significa esse poder todo. E pra ajudar a pensar, mais alguns comentários dirigidos pra Marieta, na forma como foram escritos:

         “Deve está recebendo dinheiro do roubo do governa deve fazer parte da quadrilha de safados ladrão”

         “Mais uma pro meu caderninho, vai se juntar com Toni ramos.zecuamargo, josoares ….”

         “Decrpcionante magouo os fãs.”

COMPARTILHE
Fabio Brandi Torres
Nasceu 15 dias antes da chegada do Homem à Lua e é dramaturgo, roteirista, tradutor e produtor, mas conforme a ocasião, também pode ser operador de luz, de áudio, bilheteiro, administrador e contrarregra, ainda que não tenha sido camareiro, mas por pura falta de oportunidade. Questão de tempo, talvez, já que quando se faz teatro por aqui, sempre se cai na metáfora futebolística do bater escanteio e correr pra cabecear. Aliás, se aposentou do futebol na década de 80, quando morava em Campos do Jordão, depois de uma derrota por 6×0 para o time de uma escola adversária, cujo nome não se recorda. Ele era o goleiro.



COMENTÁRIOS