Segura teu filho no colo, mesmo que ele já tenha crescido

Um dia teu filho crescido voltará. Dirá do mundo que descobriu com os próprios olhos e das coisas que o fizeram balançar. Um dia teu filho precisará do teu colo e consolo.

Um dia teu filho virá com os ouvidos atentos e precisará das tuas palavras. Não, filho crescido não é filho criado.

Um dia teu filho sentará ao teu lado e pedirá teu conselho e nessa hora põe de lado as desdenhosas chorumelas ou o medonho “eu avisei”, “bem feito”, “cada um com seus problemas”. Torça pelo melhor, torça para teu filho vencer, mas se ele fraquejar, que teu coração o receba com candura e amor.

Muitos filhos não voltam porque não têm para onde voltar. Porque foram varridos para fora do ninho e caíram no mundo. Muitos filhos se tornam órfãos de mães e pais vivos depois de adultos.

Quantas coisas desastrosas poderiam ter sido evitadas se antes existisse uma conversa entre um filho e um pai! Entre um filho e uma mãe! Como seria bom e sincero poder compartilhar aprendizados de forma leve, sem ressentimentos! Sem esperar uma queda para então estender a mão!

Nós podemos isso hoje, pais e mães podem isso agora. Podem dizer das verdades sem macular sonhos. Podem falar da vida com amor e orientar quando ela for dor e reparação.

Às vezes, eu fico pensando em como seriam as coisas se algumas pessoas tivessem tido pais e mães amorosos. Leio biografias e fico imaginando como poderia ter sido aquela história se a pessoa em questão pudesse ser amada, reconfortada e abraçada depois dos vinte, trinta ou quarenta anos.

Olho para o rosto feliz de mulheres admiráveis como a saudosa Palmirinha, por exemplo, a doce vovó que há anos ensina deliciosas receitas na TV, e penso em quanto sofrimento ela aceitou por não ter no passado para onde voltar. Em como foi difícil para ela, com três filhas pequenas, ter ficado ao lado de um marido abusivo por ter perdido o pai e pela mãe não lhe ter sido nem um pouco amigável.

Sim, vive-se sem o abraço do ninho o qual um dia nos abrigou, mas vive-se melhor e com mais candura se as portas da casa da infância forem destrancadas e lá dentro, sem rancores, sem ressentimentos, houver uma palavra de amor e um abraço carinhoso.

Acompanhe a autora no Facebook pela sua comunidade Vanelli Doratioto – Alcova Moderna.

Atribuição da imagem: pexels.com – CC0 Public Domain

COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



Vanelli Doratioto

Vanelli Doratioto é uma escritora paulista, amante de museus, livros e pinturas que se deixa encantar facilmente pelo que há de mais genuíno nas pessoas. Ela acredita que palavras são mágicas, que através delas pode trazer pessoas, conceitos e lugares para bem pertinho do coração.


COMENTÁRIOS