Porque os 40 não são os novos 30

Por Tatiana Nicz

Esses dias uma colega me contou de uma cena de um filme, onde a menina diz em uma discussão: “High School is never over”, respondendo às provocações de que ela (a personagem) estava sendo infantil em seu posicionamento. O papo com minha colega era sobre a maturidade das pessoas (ou a falta dela). Maturidade de fato é um conceito complexo porque é difícil de ser mensurado. Mas, mesmo complexo, não é algo impossível de se entender.

Hoje escutamos muito “os quarenta são os novos trinta” e pessoalmente acho isso papo de quem tem medo de envelhecer. Eu entendo de onde vêm os medos da velhice, numa cultura onde a juventude é exaltada e onde aprendemos a jogar fora o que é velho, não existe espaço para encontrar beleza no processo de envelhecimento, ou melhor, amadurecimento. O próprio nome já é meio pejorativo, encontramos no dicionário a palavra “velho” junto à “obsoleto”, “antigo” o que nos dá a impressão que é algo que não tem utilidade.

Minha queixa com minha amiga era essa, muita gente que conheço não amadureceu e, pior, não parece querer amadurecer. Não sou muito de falar do passado, mas é certo que na época dos meus avós e meus pais os tempos eram outros e a sensação que tenho é que eram outros principalmente porque as pessoas amadureciam e viviam de acordo com sua idade. Com minha idade meus pais já tinham três filhos, casa própria, emprego e responsabilidade de gente grande. Assistindo uma TED talk esses dias sobre a longevidade descobri que biologicamente o organismo de um ser humano foi programado para viver aproximadamente 90 anos. Nesse espaço de tempo devemos viver a infância, adolescência e a mais longa fase da vida: a fase adulta.

A natureza é sábia, as fases da vida denotam ao que viemos. Para cada uma dessas etapas nosso organismo, nossos hormônios, nossa mente trabalham de maneiras bem específicas e de acordo com nossa idade. Então os quarenta, biologicamente falando, não são os novos trinta. E não há botox, exercício, nem cirurgia plástica que mude isso. Acho importante adequar nossa mente ao nosso organismo para que possamos usufruir de todas as etapas da vida integralmente. Nesse sentido, acredito que envelhecer é um processo orgânico, útil e belo.

E, como muita coisa na vida, não existe uma fórmula que nos faça amadurecer. Acho que mais que tudo amadurecer é um processo interno de aceitação. Aceitação de nossas limitações e de da maneira com que nosso organismo vai se ajustando à elas. Não existe uma idade específica para isso, mas a impressão que tenho é que estamos invertendo etapas em demasia: enquanto adolescentes queremos ser adultos, enquanto adultos queremos ser adolescentes. Muitos dos adultos de hoje que conheço se comportam como crianças. E isso é perigoso para as futuras gerações, que crescerão sem referências de processos tão importantes como o amadurecimento e o envelhecimento.

O que tenho visto é exatamente o que a personagem do filme citada por minha amiga diz: “high school is never over”. E nesse pensamento vejo pessoas adultas que não saem das casas dos pais, pais que se comportam como os filhos, e principalmente pessoas que não assumem suas responsabilidades, se relacionam com os outros e tomam decisões da forma imprudente, algo que deveria ser natural apenas para os jovens.

É preciso aceitar que envelhecemos e fazê-lo com sabedoria. Hoje aprendi que é importante viver de acordo com a minha idade, fazendo escolhas e programas conforme meu organismo consegue absorver. Também aprendi que maturidade não tem nada a ver com emprego, conta bancária, status de relacionamento, maternidade ou paternidade. Acredito sim que a maternidade e a paternidade têm um poder enorme de transformar um ser humano e fazê-lo amadurecer, mas não é isso que tenho visto em muitos casos. Acho também que a maturidade chega de maneira diferente para cada um, suspeito que geralmente nos momentos mais difíceis da vida. Para mim, amadurecimento tem muito a ver com as porradas e os tombos que a gente toma na vida.

Digo tudo isso porque sinto que vivi por muito tempo como adolescente imprudente que fui, mesmo sendo dona do meu próprio negócio aos 24, mesmo saindo da casa dos meus pais aos 23, mesmo tendo viajado muito, morado em outros países, conhecido outras culturas e outros lugares. Isso tudo me fez crescer de várias maneiras, mas acredito que não o suficiente para tornar-me de fato adulta.

Mas acho que algumas coisas me fizeram crescer, a doença da minha mãe me fez crescer, a morte do meu pai me fez crescer, mudar de carreira, dar aula para crianças me fez crescer, e principalmente, assumir minha idade e querer viver por inteiro os meus 30 e poucos anos me fez crescer. O tempo passa para todos e mais rápido do que imaginamos, portanto aprendi a celebrar a minha idade e isso tem sido algo muito gratificante. Nesse contexto, acho que posso ser bem coerente em dizer que para mim High School is definitely over.

COMPARTILHE
Tatiana Nicz
Libriana com ascendente em Touro. Católica com ascendente em Buda. Amo a natureza e as viagens. Eterna curiosa. Educadora e contadora de histórias. Divagadora de todas as horas. Escrevo nas horas vagas para aliviar cargas, compartilhar experiências e dormir bem. "Quem elegeu a busca não pode recusar a travessia." Guimarães Rosa



COMENTÁRIOS