Os padrões aprisionam a nossa verdadeira beleza

Você não precisa de pernas finas, barriga chapada, cabelo liso e pele perfeita. Você precisa de amor próprio e felicidade.

O que você precisa é se olhar no espelho e gostar do que vê, mesmo sem precisar vestir um 36 porque a garota do instagram postou uma foto nova com a cintura desenhada. Você não precisa fazer dietas malucas e tentar se enquadrar em padrões, porque a tua beleza é singular.

Aprenda a se olhar no espelho e a gostar do seu desarrumado, do seu jeito desastrado de ser e das suas piadas sem graça. Não tenha medo de ser a garota da risada escandalosa e do coração sincero. Não hesite em usar aquele vestido que você comprou há tanto tempo e deixou guardado, porque acredita que “não ficou bom em você”.

Valorize as suas curvas, mas lembre-se, sempre, de que o seu sorriso é a curva mais bonita que há em você. Lembre-se que o seu abraço é confortante e que você sabe ajudar alguém como ninguém.

Não esquece a sua força e a sua coragem, não esqueça a sua história e tudo o que você já suportou para chegar até aqui. Não deixe de lado a sua alma bonita, deixe para trás os medos e todas aquelas palavras que a feriram.

Ame o seu cabelo, seja ele liso, enrolado, crespo, curto, longo ou bagunçado. Ame o seu corpo, sem se importar com os quilinhos a mais, porque isso não define quem você é. Resgate a sua força e a sua coragem, veste a sua melhor roupa, que é a sua alma bonita, e vá desbravar o mundo com sua ousadia.

Você não precisa se comparar com o outro, isso é um erro, e nos leva à frustração. Compare você com o melhor de si, com aquilo que pode melhorar a cada amanhecer. Compare com aquilo que você tem de mais bonito e que de alguma forma se perdeu com o tempo devido ao medo ou às feridas.

Esqueça os seus fracassos e recorde-se da sua coragem em enfrentar qualquer obstáculo. Ame a sua loucura e defenda aquilo em que você acredita. Alimente o seu ego sem precisar de elogios, goste da sua roupa sem precisar que alguém diga que “ficou bom em você.” Extrapole nas cores e combinações, sem ninguém precisar dizer que você “acertou” no quesito estilo.

Autenticidade faz parte do amor próprio; é preciso ousadia para sermos nós mesmos em um mundo de tantas cópias, em uma sociedade que valoriza os padrões e que tenta, a todo custo, encaixar-nos neles. Seja você e aprenda a gostar disso, aprenda a valorizar os seus traços e a realçar a sua beleza, em vez de tentar mudá-la o tempo todo.

Você não precisa de roupas caras para ter estilo, não precisa vestir um 36, ter a cintura fina, o cabelo liso e a barriga chapada. Você não precisa ser alta e ter inúmeros likes nas suas fotos para ser bonita. Você precisa gostar de si e ter amor próprio, que é o caminho mais certo para o outro nos amar, é a porta para não aceitar pouco. É a chave para não desmoronar com as bobagens que escutamos todos os dias de quem não entende nada quando o assunto é “ser você mesmo”. De quem tenta nos derrubar a todo custo com os seus discursos prontos.

Você precisa de amor próprio, de felicidade, sorriso sincero, abraço acolhedor e gente que valorize os detalhes que compõem a tua beleza singular. Você pode ter pernas finas, barriga chapada, pode querer perder uns quilinhos, ter o cabelo enrolado, liso e até querer fazer uma dieta, mudar o corte de cabelo ou comprar uma roupa nova com aquela estampa ousada da moda, mas que todas essas mudanças sejam por você, unicamente por você.
Gostar daquilo que contemplamos no espelho sem precisar se ver pelos olhos dos outros é dessas belezas da vida que dinheiro algum compra e flash nenhum consegue captar e traduzir em uma fotografia.

COMPARTILHE
Thamilly Rozendo
Estudante de psicologia, apaixonada por artes, música e poesia. Não dispensa um sorvete e adora um pastel de feira com muito requeijão, mesmo sendo intolerante a lactose. Tem pavor de borboletas, principalmente as no estômago.

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS