O mito do relacionamento sem cobranças

Recentemente li esse livro, Garota exemplar, um suspense sobre uma mulher que desaparece, e sobre o que seu marido faz diante disso. Ao longo do livro descobre-se que, na verdade, a protagonista finge seu próprio desaparecimento para dar uma lição no seu marido, que não estava agindo como ela gostaria dentro do relacionamento.

Além de todo o suspense, o livro levanta questões sobre o que é ideal em uma mulher e em um namoro. A protagonista fala sobre como ela estava interpretando o que chama de “Garota Legal”, quando conheceu o marido. A Garota Legal é uma mulher gata, que ama esportes, video games, arrotar, sexo e comer muito, mas ela é sempre magra. Além disso, a Garota Legal nunca fica com raiva, nunca reclama, nunca cobra, e seu parceiro vive num mundo de total liberdade, proporcionado por ela.

Esse ideal de relacionamentos, aliado à ideia estereotipada de que mulheres estão sempre atrás de compromisso – não estão, mas se estiverem também, qual é o grande problema? – faz com que muitas meninas sejam logo tachadas de loucas, que correm muito atrás de um romance, e, por isso, a ideia do relacionamento sem cobranças ganha uma cara ainda mais bonita.

No relacionamento sem cobranças, o cara pode combinar de ir no cinema com a mina e desistir sem avisar porque resolveu ir ao bar com os amigos, ele pode não querer nada sério, continuar ficando com a moça e dizer que um namoro seria ótimo “no plano das ideias”, mas que ele já tem muitas responsabilidades na vida, ou seja, no plano do dia a dia não ficaria tudo bem.

E, pasmem, esses exemplos são reais.

Não acredito que haja nada de intrinsecamente errado em resolver ir ao bar com os amigos em vez de ir ao cinema com a garota, ou então em não querer namorar alguém. O que acho é que não avisar que vai faltar e tratar o outro como um fardo é falta de consideração, de respeito e de compromisso.

A promessa do relacionamento sem cobranças então é, na verdade, a promessa do relacionamento sem consideração, sem respeito e sem compromisso. Infelizmente, isso significa dizer que não existe relação positiva nenhuma aí. Um namoro ou um relacionamento sério são marcados por determinadas regras, que são socialmente construídas, aceitas e disseminadas, mas modificáveis dentro de cada casal (ou trio, ou grupo, já que isso é flexível). Você pode considerar essas regras boas ou ruins e se ater ou não a elas.

A questão não é essa.

A questão é que qualquer relacionamento — que não seja sobre conflito — é marcado por algum grau de compromisso com o outro. Seja um relacionamento com amigos, colega de turma, vizinhos ou parentes. Se você vive deixando seus amigos te esperando na porta do cinema, você pode deixar de ser amigo em muito pouco tempo. Relações requerem trabalho, requerem mandar um SMS pra sua mãe quando chegar na casa de fulano, requerem avisar se você não vai poder ir em algum lugar, requerem dar uma ligada pra avisar que chegou bem, requerem alguma responsabilidade e consideração em relação ao outro.

O relacionamento sem compromisso pressupõe necessariamente que compromisso é uma coisa ruim, que responsabilidades devem ser evitadas, inclusive quando são sobre outras pessoas. Entretanto, não é assim que laços se constroem. Relações são sobre dar, receber e retribuir.

Cada um tem que saber o quanto está a fim de investir em cada relação. Mas achar que é possível viver com outra pessoa – veja, viver qualquer coisa, um rolo, um namoro, UMA AMIZADE – sem ter nenhum compromisso é falta de consideração com a outra parte, éumbigation. Infelizmente, o namoro sem cobranças tem se tornado um mito, assim como a Garota Legal, um mito do relacionamento perfeito, em que ninguém briga, ninguém fica com raiva porque não existem vacilos. E, na verdade, os vacilos só estão sendo ignorados.

Criar as próprias regras do seu relacionamento é uma ideia muito legal. Decidir se vocês querem exclusividade ou não, se faz diferença pra vocês ou não que um ligue pro outro pra dizer o que vai fazer no final de semana, se querem conhecer família e amigos ou não. Mas sempre vai existir algum nível de cobranças e responsabilidades, porque ter um laço com outra pessoa significa ter algum carinho e consideração. Os primeiros implicam os segundos.

Então, o mito do relacionamento sem cobranças não passa de um mito porque é um relacionamento em que uma das partes está decepcionada com a outra, em que uma pessoa não liga, não está a fim de se esforçar. O mito é uma narrativa, cheia de fantasia de algo que poderia ser, mas a prática de um relacionamento requer esforço, requer vontade e responsabilidades. Estas não são ruins, simplesmente mostram que você se importa, e que esse se importar é um gostar que está para além do plano das ideias.

Por Brena O’Dwyer
Fonte indicada:Revista Capitolina

COMPARTILHE
CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos. Sejam sempre bem-vindos! Josie Conti



COMENTÁRIOS