O erro mais comum é presumir que todo mundo quer o que você quer

Por Josie Conti

A citação utilizada como título é da  professora de Comportamento Organizacional da London Business School, Tamara Erickson que, em entrevista recente à Época Negócios, abordou essa questão relacionando-a ao mundo dos negócios. Trago-a para nosso espaço, contudo, com um olhar mais generalista no que se refere ao comportamento humano.

Leiam a afirmativa abaixo:

“Cada pessoa traz em si seu universo único e é fruto de sua história e escolhas.”

Normalmente não discordamos da afirmativa acima, entretanto agimos de maneira contrária a sua compreensão real cada vez que supomos que as pessoas ao nosso redor deveriam ter visões de mundo e opiniões iguais ou semelhantes as nossas. Tomamos como reais e universais perspectivas particulares, cremos que nossas escolhas são as mais corretas e verdadeiras, julgamo-nos mais espertos e sagazes que os nossos vizinhos de casa ou de bate-papo. E, querem saber? Estamos errados.

O erro, todavia, não consiste em estarmos mais corretos e sim em não nos colocarmos no lugar do outro para entender que o correto de um é o erro do outro, que o início de um é o meio do outro, que o que foi fácil para um é complexo para o outro. Mesmo filhos dos mesmos pais vivem histórias e realidades diferentes. Imaginem então pessoas de núcleos familiares, classes sociais e tantas outras experiências diversas que a vida proporciona. Não seria muita ousadia nossa achar que as concepções e percepções de realidade devem ser iguais?

Uma dinânica que eu costumava usar em grupos era mostrar uma imagem da Mona Lisa de Leonardo da Vinci e pedir que as pessoas dissessem qual a opinião que tinham sobre ela. Era um momento descontraído, onde eu dizia algo assim: Não quero que pensem em quem a pintou, se ela é famosa ou sobre a técnica. O que eu pergunto é “Se hoje essa senhora entrasse com vocês em um elevador, vocês me diriam que ela tem cara de quê?” E, antes de responder, as pessoas deveriam apenas pensar. Quando, entretanto, começavam a dizer sobre o que tinham pensado, todas as respostas possíveis e imagináveis surgiam. Para cada um a Mona Lisa era uma pessoa diferente, com um estado de humor diverso, em uma situação oposta. Assim é também a nossa realidade, mas no cotidiano que nos circunda somos nós as “Mona Lisas” que cruzam pelos elevadores e preenchem as realidades e cenários da vida.

É por isso que para pessoas de bom senso a dúvida é bem-vinda. É por isso que devemos dar uma oportunidade ao diferente. É por isso que aprender a coloca-se no lugar do outro até entender um pouco sobre a sua visão é uma das características mais nobres do relacionamento humano.

O erro mais comum é presumir que todo mundo quer o que você quer. Você não tem que mudar o que quer, mas o outro merece respeito e entendimento por pensar diferente.

Quem encontra maneiras de mediar comportamentos para uma convivência harmoniosa ou se afasta de maneira consciente não precisa falar mal e nem precisa de rancor.

Na próxima vez que se olhar no espelho lembre-se que você e seus pensamentos são a Mona Lisa de alguém. Toda verdade é questionável. As decisões, entretanto, são suas.

Boa sorte no elevador.

COMPARTILHE
Josie Conti
Blogueira e empresária. Após trabalhar anos como psicóloga, abandonou o serviço público para manter seus valores pessoais. Hoje, a Josie Conti ME e sua equipe trabalham prioritariamente na internet na administração funcional, editorial e publicitária de redes sociais e sites como A Soma de Todos os Afetos e Psicologias do Brasil, além de várias outras fan pages que totalizam cerca de 6.5 milhões de usuários. É idealizadora da CONTI outra, o projeto inicial que leva seu nome.



COMENTÁRIOS