Não percamos tempo elaborando disfarces

Espontaneidade não se ensaia, cultura não se finge, preconceito não se esconde, gosto realmente não se discute.

Jamais será possível corresponder a todas as expectativas alheias, e nossos processos e falhas por vezes serão expostos e julgados, muito embora por juízes não credenciados nem sequer considerados.

Disfarçar dificuldades não é uma arte, não é uma habilidade. Ao contrário, pode ser uma corda perigosa se enrolando a cada disfarce em volta do pescoço, que, em um instante, pode ser violentamente puxada.

O desespero de ocultar razões para críticas e reprovações, acaba por nos fazer reféns de disfarces e máscaras.

Admitir ignorância a respeito de determinado assunto, confessar dificuldades em lidar com certas questões, respeitar e guardar distância de diversas animosidades, nada disso nos desvaloriza, como equivocadamente costumamos supor.

O que realmente nos deixa vulneráveis, frágeis e vergonhosamente expostos é o esforço tolo de encobrir e disfarçar os traços que formam a nossa identidade. Viramos caricaturas, nos tornamos seres obtusos, vigilantes, sempre alertas para não revelar um momento de contradição que possa nos trair.

É o uso do tempo de vida em favor da opinião e julgamentos alheios, desprezando o desfrute próprio, as conquistas escolhidas, as coisas bobas boas da vida, ainda que o vizinho não aprecie, o alvo da paquera despreze, a família não valorize, o mundo rejeite por questões de padrões e embalagens.

Disfarces são caros, nos custam o fôlego, a espontaneidade, a individualidade. A aceitação de nós mesmos, em contrapartida, é que nos permite enxergar, carregar e sentir necessidade de mudar nossas convicções, preferências e dificuldades.

Cuidemos pois, de cuidar e lustrar nossa versão original e única, valorizando o que o tempo ensina.

As camuflagens só servem para quem deseja viver entrincheirado nos desejos da ilusória perfeição.

COMPARTILHE
Emilia Freire
Administradora, dona de casa e da própria vida, gateira, escreve com muito prazer e pretende somente se (des)cobrir com palavras. As ditas, as escritas, as cantadas e até as caladas.



COMENTÁRIOS