7 lições de vida que aprendi assistindo “The Walking Dead”

Por Josie Conti

The Walking Dead conta a história das semanas e meses que se seguem a um apocalipse zombie pandêmico e acompanha um grupo de sobreviventes, dirigidos pelo agente da polícia Rick Grimes, que viaja em busca de um local seguro e a salvo. Mas a constante pressão da luta contra a morte numa base diária torna-se num fardo bastante pesado, fazendo com que algumas pessoas desçam ao mais baixo nível da crueldade. À medida que Rick luta para manter a sua família viva, acaba por descobrir que o medo arrebatador dos sobreviventes pode ser bem mais perigoso que os zombies que vagueiam pelo nosso planeta. (sinopse)

Filmes e séries apocalípticos, embora tenham um público bem definido,  nos levam a pensamentos e reflexões sobre diversos aspectos da realidade.

Abaixo, descrevo 7 grandes lições de vida facilmente perceptíveis na série “The Walking Dead”.

1) A sua realidade é  mais confortável do que você imagina

Você estuda ou trabalha (talvez os dois), mas quando chega em casa (você provavelmente tem uma casa para morar), você tranca a porta, toma um banho quente, tem alimento suficiente e ainda pode gastar algum tempo com algum tipo de entretenimento como TV ou computador. Você ainda pode ser mais privilegiado e ter uma família a quem ama e e por quem é amado. Entretanto, se for uma pessoa “normal” nos padrões atuais talvez nem se aperceba de todo o privilégio e conforto que possui.

Assistir a série “The Walking Dead”, mais do que uma matança ininterrupta de zumbis, nos lembra que o mundo das coisas supérfluas e materiais tão cultuado pela nossa sociedade não faz nenhum sentido se as necessidades básicas de alimentação e proteção não forem supridas.

2) Você é capaz de matar

Essa frase não é uma afronta a nenhum mandamento religioso, longe disso! Entretanto, o que fica claro ao observarmos pessoas sobrevivendo à situações de extrema violência, é que entre a própria morte e a morte de alguém muito amado como um filho, por exemplo, você se torna capaz de matar. Isso não quer dizer que seja algo simples, banal ou que não trata culta e ou mesmo consequências, apenas quer dizer que a sobrevivência em um ambiente altamente hostil, pode ter esse preço- sem direito a negociação.

3- A segurança é uma ilusão

Por mais que você tente, não é possível proteger outra pessoas de tudo e de todos. O excesso de proteção pode inclusive torná-la frágil e despreparada para o mundo.

A segurança é algo momentâneo e pode durar minutos, meses ou mesmo anos, porém, do mesmo modo pode deixar de existir em segundos.

É por isso que você realmente deve pensar bem antes de sacrificar sua vida fazendo o que não gosta ou iludido com uma pseudo estabilidade. O mundo é muito grande, guerras estão acontecendo, epidemias de doenças altamente contagiosas estão matando milhares de pessoas nesse momento, como o que está acontecendo no continente africano com o ebola. Pense fora da caixa e faça escolhas conscientes para que sua luta seja por seus verdadeiros sonhos e desejos e não pelas falsas convencionalidades da sociedade. Não quero que você viva aterrorizado ou que seja inconsequente, apenas não se esqueça de que a segurança é uma ilusão.

4- Darwin tinha razão

Embora a força e a inteligência ajudem, em situações extremas, é a capacidade de adaptação que será decisiva. A série mostra que a sobrevivência dos integrantes do grupo exige mudanças e adaptações incessantes tanto na forma de pensar quanto nas maneira de se defender. Não há escolha razoável além de se adaptar e seguir em frente, mesmo que você sobreviva a perda das pessoas que mais ama no mundo.

5- Como os grupos sociais são frágeis frente a personalidade e as promessas de psicopatas

(esse item contem spoiler)

O ser humano, em sua essência, busca dar sentido a tudo o que acontece a sua volta. As pessoas buscam respostas e como pode ser confortável quando alguém toma decisões em seu lugar, promete segurança e fornece as regras que devem ser seguidas.

Frente a situações de desespero fica ainda mais fácil para grandes manipuladores assumirem cargos de poder e tornarem-se líderes de grandes grupos com suas promessas e respostas.

Na série o personagem do “Governador”, um charmoso psicopata mostra claramente como pessoas com esse perfil vendem uma imagem ao público e tomam decisões completamente diferentes e de acordo com seus interessem pessoais em outras esferas de sua “governança”. Entretanto, é com seu charme  e após conquistar a confiança das pessoas, que realizam as maiores atrocidades.

Sinto dizer, meus amigos, mas psicopatas são 4 % da população mundial e gostam muito de cargos de chefia e poder, como os altos cargos políticos. O “Governador” pode não ser tão diferente de inúmeros políticos, CEO´s e outros líderes que temos por aí. Verdadeiros lobos em pele de cordeiro. Estejam atentos.

6-  Somos humanos, somos gregários

Por mais adversas que sejam as condições de vida e a realidade, a maioria das pessoas não perde a esperança e simplesmente continua lutando para sobreviver e para reaver o seu direito à humanidade. Na primeira oportunidade, pequenos grupos sociais novamente são criados com papeis e funções definidas na tentativa do restabelecimento mais rápido possível da humanidade abalada.

7- Devemos estar abertos às perspetivas oferecidas pela arte

Seja com fatos ficcionais, seja por analogia, seja por mera identificação, mesmo quando assistimos TV não precisamos ser passivos e acríticos. Os artistas e criadores do que é novo são mensageiros de novas perceptivas de ver o mundo. Devemos estar abertos para seus trabalhos e para suas mensagens. Artistas são visionários e merecem todo o nosso respeito.

COMPARTILHE
CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos. Sejam sempre bem-vindos! Josie Conti



COMENTÁRIOS