Ilustrações de um mundo onde pessoas são tratadas como animais

A preocupação com os direitos humanos fundamentais deveria ser proporcional ao zelo com os direitos animais. Mas não é.

Todos os dias, e a qualquer momento, animais são brutalmente maltratados e mortos para fins de consumo humano. Alguns dizem que essa matança generalizada é inevitável para a sobrevivência da espécie humana, enquanto outros consideram a barbárie contra animais como um absurdo sem precedentes.

A morte é imprescindível à vida, sim, mas alguns sacrifícios são desnecessários.

Vegetarianos no mundo todo lutam contra a exploração animal como maneira de providenciar alimentos para as pessoas. Essa luta não é de hoje, mas seus efeitos nunca foram realmente produtivos e significativos ao ponto de impedir que animais sejam salvos da aniquilação.

As pessoas precisam comer, e a grande maioria delas não está disposta a deixar de incluir carne em sua alimentação. Isso é compreensível, mas não aceitável.

Moral e ética parecem ser forças invisíveis quando o assunto é sacrificar animais para a nutrição das pessoas.

De fato, há um paradoxo entre a necessidade de matar animais para viver e preservar a vida na morte. O fato é: as pessoas não vão parar de comer carne.

Ativistas ambientais fazem um trabalho elogiável, digno e honroso, mas sua causa é tão impossível quanto impedir um predador faminto de ir atrás de sua caça. É inútil lutar contra a natureza.

Não importa a inviabilidade da causa vegetariana, ela é real e faz parte da vida de muitas pessoas no mundo todo que odeiam ver animais sendo vítimas de um holocausto supermassivo.

Além de devastar uma boa parte da população animal, as execuções em massa prejudicam seriamente o meio-ambiente.

Como mostrou o documentário Cowspiracy: O Segredo da Sustentabilidade (2014), a principal causa de aquecimento global são os gases liberados por animais nos processos da pecuária, e a culpa é atribuída tanto às indústrias pecuaristas (que matam os animais para comércio) quanto às organizações ambientais (que lidam com a questão de forma negligenciada e irresponsável).

Algumas justificativas para se matar animais em prol da subsistência humana são pautadas na biologia. Muitas pessoas assumem que essa dinâmica faz parte da cadeia alimentar, e de fato faz. Afinal, é matar ou ser morto.

A caça, pesca e pecuária são atividades que movimentam bilhões em um comércio global. As instituições ambientais não podem lutar contra esse sistema, apenas minimizar seus efeitos na mídia. Essas organizações agem como boas samaritanas, mas seu código de conduta é ineficaz, pois é certo que muitos de seus funcionários sobrevivem a partir da energia provida por animais.

Nas ilustrações chocantes a seguir, animais trocam de lugar com pessoas: tomam para si mesmos a crueldade que têm de aguentar nas mãos dos seres humanos.

Nessa troca de papeis, o resultado é igualmente desolador, com pessoas sendo tratadas como muitos animais que servem a propósitos egoístas. As imagens são gráficas, mas não deixam de ser reais. Veja:

direitos animais_1 direitos animais_2 direitos animais_3 direitos animais_4 direitos animais_5 direitos animais_6 direitos animais_7 direitos animais_8 direitos animais_9 direitos animais_10 direitos animais_11 direitos animais_12 direitos animais_13 direitos animais_14 direitos animais_15 direitos animais_16 direitos animais_17 direitos animais_18 direitos animais_19 direitos animais_21 direitos animais_22 direitos animais_23 direitos animais_24 direitos animais_25 direitos animais_26 direitos animais_27 direitos animais_28 direitos animais_29 direitos animais_30

direitos animais_31

COMPARTILHE
Eduardo Ruano
Escritor e redator por hobbie e profissão. Me considero uma pessoa racional, analítica, curiosa, imaginativa e em constante transformação. Gosto de ler, escrever, correr, assistir séries, beber e viajar com os amigos. Estudioso de psicologia, filosofia e comportamento humano. Também sou interessado em arte, literatura, cultura e ciências sociais. Odeio burocracias, formalismos e convenções. Amo pessoas excêntricas, autênticas e um pouco loucas, até certo ponto. Estou sempre buscando novas inspirações para transformar ideias em palavras.



COMENTÁRIOS