GAIOLAS DE PRATA

Por Nara Rúbia Ribeiro

Observo os homens e suas religiões, seu ritualismo, seus dogmas, suas crenças blindadas, suas verdades absolutas. Em meio a essa observação, penso:

Coisa complicada para o homem é saber-se pássaro. Sentir suas asas pequeninas e observar a amplidão do horizonte. É muito céu. É tanta luz! Mas tanta amplidão estremece o coração.

Ele olha o céu, olha as asas, sabe-se criado para vislumbrar o mundo do alto do azul, mas teme. Diante desse medo, muitos pássaros decidem, a cada dia, criar cada qual a sua pequena e falsa gaiola de prata. Após criá-la, eles encarceram a si próprios e fingem jogar fora a chave da razão, única capaz de abrir a gaiola.

Só então se sentem seguros, glorificam a gaiola e enaltecem a sua máxima proteção. E o pássaro não voa, não sonha, não é. Desmente a si mesmo e se desnatura, inexistindo um tanto mais a cada dia, na gaiola que ele mesmo construiu para si.

E concluo que coisa assombrosa deve ser ainda, a muitos homens, saberem-se potencialmente pensantes, mas viverem aprisionados em sua falsa segurança. Tantos sequer tiveram da vida o incentivo de vislumbrarem o seu céu interior, sentindo-se desde cedo cerceados pelas mazelas do mundo. Asas inertes: talvez seja isso que tanto entristeça e adoeça a humanidade.

Muito triste deve ser o pássaro que constatar que borboletas, embora tenham nascido sem asas, tão mais frágeis e puras, colorem, destemidas, o céu que um passarinho de gaiola jamais ousaria tocar.

COMPARTILHE
Nara Rúbia Ribeiro
Escritora, advogada e professora universitária.



COMENTÁRIOS