Equoterapia: Compreenda a magia por trás dos cavalos.

A equoterapia é uma metodologia onde se utiliza cavalos como complemento em certos tratamentos psiquiátricos ou fisioterapêuticos.

Também chamada de hipoterapia, a técnica vem sendo muito aplicada para fins de reverter ou paralisar algum quadro progressivo de enfermidade. Pessoas com Síndrome de Down, Autismo, hiperatividade, problemas motores, pacientes com derrame, esclerose múltipla e paralisia cerebral são comumente encaminhadas para esse tipo de tratamento. Mas já se perguntou por que os cavalos são a peça chave para tal função? Para compreender, precisamos nos infiltrar eu seu universo.

Eqüinos são animais extremamente sensitivos. Estão sempre em alerta e integrados com a Natureza, buscando o equilíbrio e harmonia sem maiores conflitos dentro da hierarquia em que se encontram. Eles movem suas orelhas de acordo com seus sentimentos, murchando-as quando sente raiva ou medo, e projetando-as para frente quando em estado de atenção ou felizes. Cavalos também se distribuem em manadas, e defendem seu território e sua família mesmo que custe suas vidas. Seu couro reconhece quem o monta, e com certeza ficará indócil caso o indivíduo não tenha uma áurea muito clara.

Eles pressentem quando o caminho não é seguro, nos olham nos olhos, encaram nossa alma como se penetrassem nela e fazem uma leitura impressionante. Um cavalo quando conectado emocionalmente com seu condutor, tomará todo cuidado para não machucá-lo, afinal, eles possuem total noção do seu tamanho. Quando há um respeito, eles se entregam como uma criança inocente. Soltos no pasto, com toda liberdade à sua volta, eles se deixam levar por nossos caprichos pela pura vontade de agradar e nos servir. Quando puxados por alguém à sua frente, medem milimetricamente seus passos para que os cascos não esmaguem os pés do condutor.

Por que não utilizar dessa magia tão natural, para reabilitar humanos com necessidades especiais? O cavalo reconhece, ele ajuda, ele se dispõe com nobreza. Contudo, os animais são selecionados ainda filhotes. Devem apresentar temperamento dócil, calmo e aceitar naturalmente a monta e os toques, por mais inesperado que seja.

Geralmente quem precisa de Equoterapia são pacientes agitados, desprovidos de certa consciência, e por vezes rudes, portanto, o cavalo necessita da estabilidade em seu comportamento, até que consiga direcionar melhor a impetuosidade e inocência de seus queridos e especiais condutores.

Imagem de capa: Lopolo/shutterstock

COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



Júlia Guglinski
Treinadora e comportamentalista de cães. Atriz de teatro, cantora e compositora.

COMENTÁRIOS