Do que precisamos pra viver?

Imagem: Antonio Guillem/shutterstock

Eu sempre tive medo do fracasso. Sempre, desde que me entendo por gente. Não faço ideia de onde isso começou, mas sempre tive pavor de me tornar uma pessoa medíocre.

Era mais importante pra mim ser bem sucedida do que feliz ou talvez eu achasse que essas coisas andavam juntas há algum tempo atrás.

Tinha metas de cursos, pós, especialização, mestrado, tudo bem esquematizado com uma cronologia na minha cabeça. Mas a vida tinha outros planos pra mim e me levou para outros lugares.

Tudo o que eu dava extrema importância, hoje não faz sentido nenhum pra mim. Eu fui uma adolescente muito ambiciosa, materialista, via valor em coisas que não tem significado nenhum, vazias em si mesmas.

O que é fracasso, afinal? O que é ter sucesso? O que faz de alguém ser considerado bem sucedido? Que tipo de mundo é esse que estamos vivendo, onde valorizamos, endeusamos o dinheiro, acumulamos ele e tudo o que pode comprar?

Estamos vivendo tempos difíceis, onde os valores estão completamente de cabeça pra baixo, a verdade é que estamos à deriva e ainda não nos demos conta disso.

Buscamos coisas que não precisamos e abrimos mão diariamente de coisas que não tem preço. Não conseguimos ver beleza no simples, mas estamos atrás de algo mais, sempre mais. Sabe, nem sempre mais é melhor, nem sempre grana pode ser a nossa alforria, e nem sempre a nossa eterna busca na nossa rodinha de hamster vai nos levar à algum lugar, às vezes estamos andando apenas em círculos por muito tempo sem nos darmos conta disso.

Hoje, eu ando na contramão de tudo isso, busco a antítese do meu eu adolescente. Quero pra mim, as coisas mais simples, por isso, talvez, as mais caras e difíceis de conseguir. Elas não tem preço, etiquetas, prazo de validade.

Continuo me permitindo desejar, mirar algo, colocar metas no meu futuro próximo que gostaria de alcançar. Mas agora, eu tento manter meus dois pés no chão, meu olhar pra dentro, sintonizado com o que realmente preciso e acredito de verdade, para que eu não seja levada, para que eu não ceda as expectativas externas, o pitaco dos outros e o olhar cheio de julgamento.

Tem sido um exercício e tem dias que eu erro mais do que acerto e deixo o outro contaminar a minha vida com a sua visão sobre as coisas. Quer saber, tenho descoberto o que é óbvio pra muita gente talvez, mas eu não preciso convencer as pessoas que a minha vida tem valor, que eu sou uma pessoa bacana e não, eu realmente não preciso agradar a ninguém.

O que eu não posso e não vou abrir mão mais é de viver a minha vida da forma que eu escolhi, que eu creio que esteja certa. Posso sim errar, me perder, me ver em um beco sem saída ou mudar a rota, mas eu sei que vou sempre me achar, se me mantiver em contato com a minha essência e com aquilo que eu acredito.

COMPARTILHE
Ana Carolina Garcia
Vivo entre a ponta da caneta e o papel, entre o clique no teclado e a história que desabrocha na tela. Sempre em busca da palavra perfeita, do texto perfeito e do livro perfeito. Acredito no poder curativo da música e de um bom livro. Cinéfila, apaixonada por séries, Los Hermanos e filmes do Woody Allen.


COMENTÁRIOS