Deixe o outro te amar à maneira dele

Cada um tem o seu jeito de amar, um jeito único, sublime, nobre. Um jeito todo seu de amar alguém. Acontece que, quando embarcamos num relacionamento, queremos, muitas vezes, que a pessoa nos ame do mesmo jeito e, se esse jeito não for como o nosso, já se torna motivo para acreditar que não existe amor no relacionamento ou que você é quem gosta mais, se interessa mais.

Se o seu jeito de amar é abraçando, abrace, mas deixe o outro amá-lo com beijos. Se o seu jeito de amar é comprando o chocolate favorito dele, compre, mas deixe o outro amá-lo vendo um filme de romance com você.

Se o seu jeito de amar é mandando mensagem de bom dia, mande, mas deixe o outro amá-lo desejando-lhe boa noite. A essência de um relacionamento e também do amor é isso, a troca, o compartilhamento, a descoberta de novos gestos que demonstram carinho, de palavras que expressam respeito.

Ame do seu jeito – ele é bonito assim -, mas deixe que o outro o ame à maneira dele – é mais bonito ainda, você vai ver.

Então, quando você entender que um beijo na testa também é amor, que comprar um remédio quando você está doente também é amor, que deixar você escolher qual filme assistir também é amor, não sobrará margem para dúvidas, insegurança, ou medo.

Tem gente que gosta de amar devagarinho, com passos lentos, mas ama.

Tem gente que gosta de amar com intensidade.

Tem gente que gosta de amar com palavras.

Tem gente que gosta de amar com sorrisos.

Tem gente que gosta de amar com beijos na testa.

Outros gostam de amar com abraços, e existem até aqueles que gostam de amar de mãos dadas. Mas todos amam, à sua própria maneira.

É isso que é bonito, é disso que você precisa. De alguém que lhe mostre que o amor se expressa de todas as formas e de todos os jeitos.

COMPARTILHE
Thamilly Rozendo
Estudante de psicologia, apaixonada por artes, música e poesia. Não dispensa um sorvete e adora um pastel de feira com muito requeijão, mesmo sendo intolerante a lactose. Tem pavor de borboletas, principalmente as no estômago.



COMENTÁRIOS