“Capitão Fantástico”: quando o cinema nos convida a refletir

Esses dias, Jout Jout (famosa Youtuber brasileira) publicou um vídeo contando sobre as reflexões que fez sobre “Capitão Fantástico”, o que despertou, em mim, a vontade de assistir novamente ao filme, que, entre os indicados ao Oscar do ano passado, tinha se tornado o meu preferido.

Para surpresa de todos, “Capitão Fantástico” não é um filme de super-herói. Todavia, inegavelmente, temos heróis nessa história: Ben e seus seis filhos – que vivem e são educados na floresta, por ele e sua esposa Leslie, que, por sua vez, devido a problemas de saúde, ausentou-se de seu lar.

Já de início, somos todos cativados pela família e seu modo de vida nada tradicional e entramos na trama, que, para começo de conversa, parece bem simples: a viagem que eles fazem à cidade grande para assistir ao enterro da mãe que se matou devido a complicações no seu estado mental.

Agora, é chegada a hora em que tento convencê-los a assistir ao filme, sem enchê-los de spoilers.

Começaria lhes dizendo “Capitão Fantástico” é um filme sobre união, sobre o trabalho em grupo, grupo este que, quando é uma família com membros com personalidades distintas, torna-se uma complexa rede de fios que, quando remexida, pode levar a alguns choques.

O longa-metragem, dirigido por Matt Ross, é uma crítica sutil (ou não) à educação tradicional. Aquela em que nos empurram conteúdo sem mais nem por quê. Aquela educação autoritária, que nos impõe regras e verdades. Aquela que não se interessa em despertar, no aluno, o olhar crítico, a consciência, a autonomia no pensar. Aquela educação que trata a criança como ser desprovido de pensamento e de conhecimento.

Essa é, portanto, também uma obra sobre as bolhas. A bolha em que Ben e sua esposa colocaram seus seis filhos. A bolha do capitalismo – fútil e superficial – em que estamos todos inseridos. As bolhas nas quais nos abrigamos para nos cegar àquilo que não queremos ver.

O filme é, ainda, um lembrete de que ninguém, NINGUÉM, é imune a erros e que, nessas horas, mais vale é ser humilde o suficiente para pedir perdão. Um lembrete de que o problema não é voltar atrás, é insistir no mesmo erro. De que o bom humor sempre ajuda.

De que o instinto de liberdade nos leva à esperança e a esperança, à possível mudança. Um lembrete de que extremos são perigosos e requerem renúncias, às vezes questionáveis, e de que o diálogo é um dos melhores meios para se resolver conflitos.

Ah! “Capitão Fantástico” também é um filme sobre amor (em todas as suas formas) e para aqueles que ainda acreditam e se encantam com ele. Finalizo o texto tentando lhes provar isso através de uma fala de Ben para Leslie (perdoem-me por esse spoiler, por favor): “Meu rosto é meu, minhas mãos são minhas, minha boca é minha, mas eu não. Eu sou seu”.

Então, o que você está esperando? Corre para assistir a essa maravilha!

COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



Mísia Morais

Paraibana (Campinense) estudante de Psicologia que tem a cabeça nas nuvens, pés no chão e um fraco por causas perdidas.


COMENTÁRIOS