A arte de conviver com sabichões

Sabichão é aquele sujeito ou sujeita que não tem a menor sombra de dúvida sobre nada ou ninguém. O sabichão sabe – e na maioria das vezes não sabe – tudo a respeito das notícias atuais, sabe historia como ninguém, sabe sobre leis, direitos, deveres, regras sociais, moda, estilo, cinema, artes, composição do chiclete, quantas pernas tem um piolho e muito mais.

O sabichão domina a conversa, interrompe as pessoas, ignora os bocejos entediados e continua o discurso com a mesma empolgação.

Até esse ponto, poderia ser só um chato. Mas tem chatos mais bacanas, que de vez em quando param para respirar e depois dizem: Isso eu não sei. O sabichão nunca vai pronunciar isso.

Quem convive com um ou mais sabichões sabe do que estou falando.  É uma verdadeira arte conviver com personalidades tão vaidosas, arrogantes,  irascíveis. Não há diálogo, não há troca, não há prazer.

E quando uma pessoa dessas é contrariada, quando alguém ousar discordar, o mundo vem abaixo, sob diversas formas: uma saraivada de argumentos, teorias exaltadas, defesas apaixonadas, socos na mesa, qualquer coisa vale para quem não sabe ficar sem os créditos de uma razão.

Mas como se faz para conseguir conviver com tamanha sabedoria? Submissão? Indiferença? Provocação?

E quando ainda assim temos afeto, gostamos tanto dessa pessoa insuportável  que somos capazes de encarar todas os capítulos da história do mundo que ela sabe de trás para frente?

O truque de dar bastante comida para que ocupe a boca não funciona bem, o sabichão não tem dó de deixar a comida esfriar em troca de longos e detalhadas explicações.

Tampouco levantar um assunto que teoricamente ele não domina, pois o efeito desse desafio pode ser uma enxurrada de teorias e hipóteses.

Solução definitiva não sei se há, mas se um sabichão entrou na sua vida, ou você na vida dele, de qualquer forma que for, a melhor experiência que posso compartilhar é de propor tréguas de sabedoria – O dia em que nenhum de nós nada sabe – é um exercício no mínimo engraçado, mas cuidado, você corre o risco de descobrir que o verdadeiro sabichão pode ser você.

Afinal,  poucos são os que não reclamam a verdade e sabedoria para si próprios.

Por um mundo com mais curiosidade e menos certezas!

COMPARTILHE
Emilia Freire
Administradora, dona de casa e da própria vida, gateira, escreve com muito prazer e pretende somente se (des)cobrir com palavras. As ditas, as escritas, as cantadas e até as caladas.



COMENTÁRIOS