A Alegria e a Tristeza em DivertidaMente

Por Fabíola Simões

Na época em que eu fazia terapia, um dos grandes trunfos de minha terapeuta foi me ensinar a nomear os sentimentos. Ao contrário do que havia aprendido em minha criação católica, descobri que era possível _ e saudável _ sentir raiva, tristeza e medo. Esses sentimentos eram tão importantes e legítimos quanto à alegria, doçura e encantamento perante a vida.

Sábado percebi, ao lado do marido e do menino de nove anos que aos poucos deixa suas ilhas da infância para trás, que minha terapeuta tinha razão.

No cinema, assistindo à mais nova animação da Disney Pixar _ Divertida Mente _ recordamos o quanto crescer pode ser doloroso, ainda que seja uma jornada com final feliz.

A exemplo de Toy Story e Procurando Nemo, a história da menina Riley, de onze anos, que vê sua vida virar do avesso após a mudança de cidade, é uma história que encanta crianças_ por dar cor e forma aos sentimentos _ e adultos _ por tratar o tema de forma leve, sem lhe tirar a profundidade.

Na animação, dentro do cérebro de Riley convivem várias emoções diferentes: Alegria, Nojinho, Medo, Raiva e Tristeza. A líder do grupo é a Alegria, que se esforça bastante para que a vida de Riley seja sempre feliz. Porém, nem tudo está sob seu controle, e quando ela é expulsa da sala de controle juntamente com a Tristeza, a vida da menina muda radicalmente, enquanto percebemos o papel de cada sentimento no controle de nossas vidas.

Um dos aspectos que mais me chamaram a atenção é a forma como o longa evita tornar a Tristeza uma vilã. Ao contrário, por mais que a Alegria se esforce para “levantar” a Tristeza, no final ela compreende sua importância, ou sua necessidade de existir junto às outras emoções.

E descobrimos que somos todos normais, até mesmo quando não conseguimos sorrir.

diver

A alegria só existe por causa da tristeza. Os quintais abrigam histórias embaixo de goiabeiras que eventualmente viram seus frutos serem corroídos por bichinhos invasores a cada temporada; e os jardins são mais floridos por causa da chuva que caiu, varreu, partiu, floresceu. A menina amadurece quando não lhe cabem mais as saias da infância, e o menino desfaz seus barcos de papel quando descobre que a meninice ficou pequena demais para o tamanho de seus sonhos.

Sabemos da alegria porque um dia demos a mão à tristeza. Entendemos de satisfação depois de ter experimentado a frustração. Aprendemos a dar valor às coisas quando percebemos o buraco que a falta faz. Adquirimos coragem de abrir as janelas depois que algumas portas são fechadas; somos impelidos a reencontrar sentido na existência quando tudo em que acreditávamos muda de repente. Entramos em contato com o sagrado que há em nós quando percebemos que a vida carece de respostas e definições. Não saberíamos da luz se não tivéssemos experimentado a escuridão. Percebemos o amor após superar a dor, e valorizamos o encontro depois de tanto desencontro.

Não sou uma pessoa triste, mas a tristeza tem espaço dentro de mim. Não a acolho gratuitamente_ como faço com a alegria_ mas respeito sua necessidade de emergir de tempos em tempos. Faz parte do que sou e do meu equilíbrio, embora não possa me definir. Sinto-a como um tempo de reflexão, uma estação que me permite desaguar em prantos secos ou úmidos, brandos ou muito intensos, mornos ou bastante gelados.

DivertidaMente termina com o trunfo da Tristeza, que acaba mostrando à Alegria que muito do que aconteceu de bom na vida de Riley foi porque ela se permitiu vivenciar a dor.

E descobrimos que parte de nossa sensibilidade e delicadeza vem da capacidade de nos emocionar, ou de nos sentirmos tocados bem no fundo da alma. Somente com a alegria isso seria impossível.

Há um quê de nostalgia e dor em toda poesia. E embora guardadinha, é a tristeza que nos embeleza também, apaziguando nossa euforia, moldando nosso espírito, acrescentando uma ponta de doçura e esperança em cada lembrança.

Talvez ser feliz seja isso. Perceber que nem só de alegria é feita nossa alma. Permitir estar um pouco triste mesmo sendo muito feliz. Almejar serenidade mesmo quando a música se eleva e todas as luzes se acendem. Conciliar entusiasmo com fala mansa e passos suaves, na ponta dos pés.

Saber ser pingo de chuva quando o sol resseca a pele, e conseguir ser raio de sol quando a vida chuvisca na vidraça…

COMPARTILHE
Fabíola Simões
Nasceu no sul de Minas, onde cresceu e aprendeu a se conhecer através da escrita. Formada em Odontologia, atualmente vive em Campinas com o marido e o filho. Dentista, mãe e também blogueira, divide seu tempo entre trabalhar num Centro de Saúde, andar de skate com Bernardo, tomar vinho com Luiz, bater papo com sua mãe e, entre um café e outro, escrever no blog. Em 2015 publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos os Afetos" e se prepara para novos desafios. O que vem por aí? Descubra favoritando o blog e seguindo nas outras redes sociais.



COMENTÁRIOS