2 minutos com Van Gogh

O que fazer quando não é possível ajustar-se ao mundo? Penso que Van Gogh pintava…

Vincent Willem van Gogh nasceu em 30 de março de 1853 em Zundert, na Holanda. Sua vida é marcada por fracassos. Incapaz de constituir família, de custear a própria subsistência e de manter contatos sociais, van Gogh foi reconhecido como pintor pós-impressionista, pioneiro na ligação das tendências impressionistas com as aspirações modernistas, somente após sua morte. Suas obras foram valorizadas a partir de 1901, quando foram exibidas 71 de suas telas em Paris.

Vincent era uma criança séria, quieta e introspectiva. Desenvolveu através dos anos uma grande amizade e forte ligação com seu irmão mais novo, Theo. A vasta correspondência entre Theo e Vincent foi preservada e publicada em 1914 (Cartas a Theo), trazendo a público inúmeros detalhes da vida privada do pintor, bem como de sua personalidade. É através destas cartas que se sabe que foi Theo quem suportou financeiramente o irmão durante a maior parte da sua vida.

Vincent tinha sérios distúrbios de humor. Aos 35 anos, após uma tentativa de agressão com uma navalha a Paul Gauguin, de quem era amigo, cortou um pedaço de sua prórpia orelha direita, embrulhou em um lenço e levou, como presente, a uma prostituta amiga. Retornou à sua casa para dormir como se nada acontecera. A polícia foi avisada e encontrou-o sem sentidos e ensangüentado, levando-o ao hospital da cidade.

Após 14 dias no hospital, van Gogh pinta o Auto-Retrato com a Orelha Cortada. Quatro semanas depois, ele apresenta sintomas de paranóia e imagina que querem envenená-lo. Os cidadãos de Arles, onde morava, solicitam seu internamento definitivo e van Gogh passa a viver no hospital de Arles como paciente e preso.

Akira Kurosawa’s Dreams – Van Gogh

Aos 36 anos, pediu para ser internado no hospital psiquiátrico em Saint-Paul-de-Mausole, perto de Saint-Rémy-de-Provence, na Provença. Um ano depois, deixou a clínica e mudou-se para perto de Paris, onde podia estar mais perto do seu irmão e frequentar as consultas do doutor Paul Gachet, um especialista habituado a lidar com artistas. Gachet não conseguiu melhorias no estado de Vincent.

A depressão se agravava e em 27 de Julho de 1890, depois de semanas de intensa atividade criativa (nesta época Van Gogh pintava, em média, um quadro por dia), Van Gogh foi ao campo e disparou um tiro contra o peito. Arrastou-se de volta à pensão onde se instalara e morreu, dois dias depois, nos braços de Theo. As suas últimas palavras, dirigidas a Theo, teriam sido: “La tristesse durera toujours” (“A tristeza durará para sempre”).
Na ocasião, o diagnóstico de van Gogh mencionava perturbações epiléticas. As crises ocorriam de tempos em tempos, precedidas por sonolência e em seguida apatia. Tinham a média de duração de duas a quatro semanas, período no qual van Gogh não conseguia pintar. Nestas crises predonimavam a violência e as alucinações. No entanto, van Gogh tinha consciência de sua doença e lhe era repulsivo viver com os demais doentes mentais da instituição.

A doença de van Gogh foi analisada durante os anos posteriores e existem várias teses sobre o diagnóstico. Alguns, como o doutor Dietrich Blumer, em artigo publicado no American Journal of Psychiatry, mantém o diagnóstico de epilepsia do lobo temporal, agravada pelo uso do absinto, que o pintor bebia. O absinto possuía como principal ingrediente uma planta alucinógena de nome Artemisia absinthium e sua graduação alcóolica era de 68%. Conhecido como “fada verde”, devido aos efeitos alucinógenos, foi responsabilizado por alucinações, surtos psicóticos e mesmo mortes.

Existem outras hipóteses diagnósticas para van Gogh, dentre elas a esquizofrenia e o transtorno bipolar, sendo o último o diagnóstico mais consensual entre os estudiosos.
Na família de van Gogh existem outros casos de transtorno mental. Seu irmão Théo faleceu de “demência paralítica” causada pela sífilis, mas há relatos de que sofria de depressão e ansiedade ao longo da vida. Sua irmã, Wilhelmina, era esquizofrênica e viveu por 40 anos em um manicômio. O irmão Cornelius também cometeu suicídio, aos 33 anos.

Artigo via Esquizofrenia.com.br

COMPARTILHE
CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos. Sejam sempre bem-vindos! Josie Conti



COMENTÁRIOS