10 dicas de livros que viraram filme para você assistir no feriado prolongado

Por Octavio Caruso

Algumas dicas de ótimas adaptações literárias, de variados gêneros e épocas, para você desfrutar nesse feriadão, sem ordem de preferência:

Grandes Esperanças (Great Expectations – 1946)

O clássico trabalho de Charles Dickens, em sua melhor versão para cinema, comandada pelo genial diretor David Lean, de “Lawrence da Arábia”.

GreatExpectations-finlay-currie

O Sol é para Todos (To Kill a Mockingbird – 1962)

Gregory Peck vive o pai que todos gostariam de ter, o nobre advogado Atticus Finch, no lindo tratado contra o racismo, escrito por Harper Lee.

to-kill-a-mockingbird-movie-23769-hd-wallpapers

A Primavera de uma Solteirona (The Prime of Miss Jean Brodie – 1969)

Adaptado da obra de Muriel Spark, com uma interpretação magistral de Maggie Smith, vivendo a professora que inspira suas estudantes com suas ideias sobre arte, música e política.

71652_f3

Bravura Indômita (True Grit – 2010)

Esqueça o original com John Wayne, essa é a versão mais fiel à obra de Charles Portis, dirigida pelos Irmãos Coen.  A beleza da trama reside na progressiva transformação interna do pistoleiro, vivido por Jeff Bridges, cada vez mais admirando a impetuosidade inconsequente daquela menina que aprende que deve proteger.

2010_true_grit_001[1]

Em Algum Lugar do Passado (Somewhere in Time – 1980)

O espírita absorve o que ocorre no filme como uma metáfora sobre reencarnação, mas este elemento além de simplificar demais a sensibilidade do tema, não existe na obra original “Bid Time Return” (1975), de Richard Matheson. Não existe cena mais bela que aquela em que o personagem de Christopher Reeve percebe estar fora de seu tempo, vivendo uma ilusão, sendo brutalmente transportado para sua realidade.

img51844734b9c83

A Noite dos Desesperados (They Shoot Horses, Don’t They? – 1969)

Com direção inspirada de Sidney Pollack, a obra pungente de Horace McCoy toma vida e se mantém para sempre na mente do espectador. Uma crítica social ambientada no período da Grande Depressão americana, porém, incrivelmente atual.

JF-Horses

A Mulher do Tenente Francês (The French Lieutenant’s Woman – 1981)

Com impecável atuação de Meryl Streep, vivendo a personagem de época e, no tempo moderno, a atriz que a interpreta, essa elegante adaptação da peça de Harold Pinter, baseada na obra de John Fowles, merece maior reconhecimento.

meryl-streep-photography1

À Sombra do Vulcão (Under The Volcano – 1984)

O protagonista da obra-prima de Malcolm Lowry, uma impecável atuação de Albert Finney, está obstinado em sua jornada de autodestruição, amargurado com a traição das duas pessoas que mais amou: sua esposa e seu meio-irmão. O seu objetivo maior, seu triste sacrifício, sua descida ao inferno, serve como punição para eles. O constante anestesiar, a supersensibilidade que sucede os tremores da dependência do álcool, a faustiana perda da inocência às vésperas da Segunda Guerra Mundial, elementos que vão elucidando, em revisões, o quebra-cabeça cheio de simbolismos proposto pelo autor, e complementado pelo diretor John Huston.

2

Garota Exemplar (Gone Girl – 2014)

Ótima adaptação do livro de Gillian Flynn. A desconstrução de um modo de vida, onde o diretor David Fincher flerta cinicamente com os clichês do suspense, exibindo a ferida aberta na imprensa sensacionalista, a manipulação da opinião pública, a teatralidade das investigações do desaparecimento da jovem, elemento que se confunde à teatralidade nos relacionamentos, simbolizado pelo ritual do casamento.

gone girl 6

Pelos Olhos de Maisie (What Maisie Knew – 2012)

Vivemos em uma sociedade imediatista na qual o ato de ter filhos de forma impensada é irresponsavelmente incentivado pelo governo, pela igreja e pelos vizinhos. Crescei e multiplicai-vos. Buscando satisfazer de forma prazerosa um capricho emocional, muitos se esquecem da tremenda responsabilidade que acompanha o nascimento de uma criança. A inserção de um novo elemento transformador, cujas ações e omissões futuras irão afetar, para o bem ou para o mal, a vida de outros. E é disso que trata o romance de Henry James, escrito em 1897, mas que se mostra incrivelmente atual nessa inteligente adaptação comandada pelos diretores Scott McGehee e David Siegel.

20140321pelos-olhos-de-maisie

OCTAVIO CARUSO: colunista Conti outra

OCTAVIO
Leia mais artigos

Carioca, apaixonado pela Sétima Arte. Ator, autor do livro “Devo Tudo ao Cinema”, roteirista, já dirigiu uma peça, curtas e está na pré-produção de seu primeiro longa. Crítico de cinema, tendo escrito para alguns veículos, como o extinto “cinema.com”, “Omelete” e, atualmente, “criticos.com.br” e no portal do jornalista Sidney Rezende. Membro da Associação de Críticos de Cinema do Rio de Janeiro, sendo, consequentemente, parte da Federação Internacional da Imprensa Cinematográfica.

Blog: Devo tudo ao cinema / Octavio Caruso no Facebook

COMPARTILHE
CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos. Sejam sempre bem-vindos! Josie Conti



COMENTÁRIOS