Porquinha vestida de aeromoça e é a nova distração do Aeroporto de São Francisco.

Com roupinha de aeromoça e até mesmo com as unhas pintadas, Lilou impressiona a todos com seus truques, ela sabe levantar a pata para fazer uma saudação, posa para selfies e diverte os passageiros tocando "música" no piano de brinquedo.

Ana Carolina Conti Cenciani

A porquinha Lilou faz parte de um programa do Aeroporto Internacional de São Francisco que leva animais de terapia ao terminal para animar os passageiros e ajudar a aliviar as ansiedades de uma viagem aérea.

Com roupinha de aeromoça e até mesmo com as unhas pintadas, Lilou impressiona a todos com seus truques, ela sabe levantar a pata para fazer uma saudação, posa para selfies e diverte os passageiros tocando “música” no piano de brinquedo.

“As pessoas ficam muito felizes em se distrair da viagem, de suas rotinas, quer estejam viajando em férias ou pelo trabalho”, disse Tatyana Danilova, sua dona.

Lilou encantou Katie Schroeder, de 8 anos, que gritou de felicidade quando a porquinha começou a ‘tocar’ uma musica em seu pianinho. “Nunca vi um porco no aeroporto. Ela faz truques como um cachorro!” comentou a garotinha.

Jennifer Kazarian, a gerente de atendimento a clientes do aeroporto revela que Lilou é a primeira porquinha a fazer parte de um programa de terapia aeroportuária. Geralmente, esse cargo é tomado por cães de diversos tamanhos e raças.

“Quando lançamos o programa, nosso principal objetivo era aliviar o estresse de nossos passageiros. No entanto, o que descobrimos é que estabelecemos uma conexão com nossos passageiros e foi totalmente incrível ”, disse Kazarian.

Segundo a gerente, todos os animais participantes do programa de terapia no Aeroporto de San Francisco passam por um treinamento e avaliação, onde devem possuir temperamento estável, boas maneiras e comportamento amigável.

Quando não está sendo o centro das atenções no aeroporto, a porquinha é super bem cuidada por sua dona. Com uma dieta de vegetais orgânicos e cápsulas de proteínas, dorme em sua própria cama e faz caminhadas diárias pelo bairro.

LiLou com sua dona Tatyana Danilova — Foto: Reuters/Jane Ross
Com informações de G1

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS