Avó de Michelle Bolsonaro passa três dias em corredor de hospital

"Sou vó dela, (mas) ela ainda não sabe (do acidente). Tenho o telefone dela não. Que não falo (com Michelle), tem já 5 anos. O dia que o pai dos meus filhos morreu, ela que pagou o enterro, ficou com a gente lá. Foi o último dia que eu vi."

CONTI outra

Maria Aparecida Firmo Ferreira, 78, avó materna de Michelle Bolsonaro, tornou-se mais uma vez notícia após passar dois dias numa maca improvisada no corredor de um hospital na periferia de Brasília.

“Ela deu entrada no hospital na quinta-feira (8) com suspeita de fratura no fêmur e ficou na maca até a noite deste sábado (10).”

“Cai, quebrei meu femur e estou no corredor de espera. Tem gente aqui que tem mais de 20 dias, 30 dias e não chama (para cirurgia). Quanto mais eu que estou com 3 dias, né?, disse dona Maria aparecida à Folha, no último dia 10.

Segundo a assessoria do governo do Distrito Federal, Maria Aparecida já foi transferida para outro pronto-socorro. A transferência aconteceu menos de uma hora após a Folha ter procurado o governo do Distrito Federal mostrando que ajuda foi motivada pela presença da mídia.

Dona Maria Aparecida é moradora da favela Sol Nascente, na períferia de Brasília, que fica a 37 km do Palácio da Alvorada, onde mora Michelle.

“Sou vó dela, (mas) ela ainda não sabe (do acidente). Tenho o telefone dela não.Que não falo (com Michelle), tem já 5 anos. O dia que o pai dos meus filhos morreu, ela que pagou o enterro, ficou com a gente lá. Foi o último dia que eu vi.”

Com informações de Folha de São Paulo.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.