5 importantes dicas para sobreviver ao Natal em Família

A ceia de Natal em família é como um Big Brother. Você é obrigado a ficar confinado com aquela gente com quem não tem a menor afinidade e a partir daí passar por inúmeras provas de resistência que afetam o seu psicológico.

Felipe Souza

Se você chegou até este texto é porque certamente brigou com inúmeros membros da sua família pelo Whatsapp em 2018 por conta da polarização política no país e agora vai ter que reunir os cacos da sua dignidade e passar pelo dissabor de se unir a eles na Ceia de Natal. Mas não esmoreça, caro leitor, você não está só! Para te ajudar, reuni 5 relevantes dicas de sobrevivência à ceia de natal em família. Força, guerreiro, e vem comigo!

1- A vingança é um prato que se come frio – é com uva passa!

O grande filósofo e pensador Madruga já dizia que a vingança nunca é plena, mata a alma e envenena. Mas convenhamos que ele proferiu tão célebre frase antes da invenção do Whatsapp. A estas alturas sua alma já está envenenada com mirabolantes planos de vingança contra o seu tio que te achincalhou por meio de indiretas nas redes sociais, então vingue-se sem medo. COLOQUE UVA PASSA EM TUDO, no arroz, na salada, no peru, na sobremesa. Coloque uva passa até na decoração. Se quiser ir mais além, se vista todo de uva passa e afronte os parentes com um sorrisinho sádico no rosto.

2- “E o que você fez?”

Toda ceia de natal que se preze tem música ambiente para criar um clima e, sobretudo, para diminuir o impacto dos longos silêncios ocasionados pela inevitável falta de assunto entre você e os seus familiares. E eu sugiro aqui que você fique responsável pela playlist da celebração e desestabilize seus oponentes com uma seleção especialíssima de clássicos natalinos, como Jingle Bells (em TODAS as versões possíveis e imagináveis, em vários idiomas e com direito a repeat à vontade). Ah, e não poderia faltar o MAIOR CLÁSSICO NATALINO DE TODOS OS TEMPOS (minha opinião, desculpe!), a onipresente “Então é Natal”, da nossa musa Simone. Imagine a cena: Quando seus parentes já ouviram Simone perguntando “o que você fez?” nos supermercados, nas lojas, no botequim de esquina, em todo e qualquer comércio desse país, eis que ela ressurge das cinzas, em alto e bom som, na ceia de natal. Imaginou? Lindo, né?! Então cole o dedo no repeat e deixe que Simone faça o trabalho sujo.

 

3- E o meu amigo secreto é: Alguém que vai ganhar um par de meias!

É sério que depois de todas as humilhações pelas quais a sua família te fez passar no último ano, você ainda considerou a possibilidade de passar horas no shopping gastando o seu décimo terceiro para comprar presentes bacanas para essa gente ingrata? Não tem espírito natalino que justifique tamanha bobagem. Um par de meias (de preferência aquelas bem breguinhas, com estampa de ursinhos) já está de bom tamanho. E assim você evita passar pela frustração de dar um presente caro e legal para aquele seu primo distante com quem nunca trocou mais do que duas palavras e ganhar em retribuição um lindo sabonete.

4- Você tem 4854115577582 novas mensagens!

Chegou o momento de você se vingar da sua tia que todos os dias enche seu whatsapp com “Bom dia”, “Boa tarde” e “Boa Noite” e incontáveis lições de moral em forma de Gifs ou videozinhos com música triste. Pois pague na mesma moeda, é o seu momento de brilhar! Selecione 70, ou mais, imagens natalinas bregas, jogue no paint, acrescente textos gigantescos em letra miúda e fonte amarela e vá compartilhando sem dó nem piedade no grupo de família. Com essa prática, até a ceia de natal a sua família já vai ter te excluído do grupo e você não vai ter que passar pelo constrangimento de mentir que a filhinha da sua amiga estava mexendo no seu celular e te excluiu do grupo.

5- Quando não te restar outra opção, divirta-se!

Não há nenhum meio saudável de passar por esta experiência dolorosa que não seja encarando tudo com cinismo. Distribua sorrisos e votos de felicidade à vontade. Por dentro você estará desejando tudo ao contrário, e a piada será ótima, vai por mim! Então divirta-se imaginando seus parentes mais intragáveis rolando escada abaixo com o peru e a farofa em mãos.

A ceia de Natal em família é como um Big Brother. Você é obrigado a ficar confinado com aquela gente com quem não tem a menor afinidade e a partir daí passar por inúmeras provas de resistência que afetam o seu psicológico. A única diferença é que não há, na ceia de natal, a possibilidade de ir eliminando um por um dos seus parentes. A experiência, como bem sabemos, pode ser traumática, mas, fique certo de que, seguindo todas as utilíssimas dicas de sobrevivência listadas neste texto, você pode passar por mais essa.

Feliz Natal!

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Felipe Souza
O socorrense Felipe Souza descobriu cedo o seu interesse pela literatura e pela escrita. Nos primeiros anos da escola já era uma criança imaginativa que tinha especial interesse pelas aulas de Redação e de Língua Portuguesa. Na adolescência, já se arriscando a produzir seus próprios textos, participou de três edições do Mapa Cultural Paulista, tradicional concurso literário do Estado, inscrevendo seus contos, “Procura-se uma identidade, de 2005, “Rotina”, de 2006 e “(Minha vida cabe dentro de um parêntese)”, de 2007, que, em suas respectivas participações, conquistaram a primeira colocação na fase municipal da competição.Felipe cursou Letras- Português e Inglês, na PUC-Campinas e trabalha desde novembro de 2016 produzindo conteúdo jornalístico para a Rádio Socorro.